Procuradora chama cantor R. Kelly de "predador" em julgamento por supostos abusos sexuais

·1 minuto de leitura
R. Kelly em audiência

Por Brendan Pierson

NOVA YORK (Reuters) - O cantor R. Kelly é um "predador" que exigia comprometimento absoluto de muitas mulheres e meninas menores de idade para o sexo, em um esquema de extorsão de duas décadas por meio do qual ele as recrutava, disse uma procuradora federal nesta quarta-feira quando começou o julgamento do astro de R&B.

A procuradora-assistente dos Estados Unidos Maria Melendez disse a um júri de sete homens e cinco mulheres no tribunal federal do Brooklyn que Kelly usou "mentiras, manipulação, ameaças e abuso físico" para dominar suas vítimas, e por vezes filmou seus encontros sexuais.

Melendez disse que Kelly, de 54 anos, exigia que as vítimas pedissem sua permissão antes de fazer qualquer coisa, incluindo ir ao banheiro, e chantageava-as, ameaçando liberar cartas autoincriminatórias que ele as forçou a escrever caso fugissem.

"Este caso é sobre um predador", disse Melendez em sua declaração de abertura. "Este caso não é sobre uma celebridade que gosta muito de festas."

Kelly, ganhador de três prêmios Grammy e cujos sucessos incluem "I Believe I Can Fly" e "Bump N' Grind", se diz inocente em relação às nove acusações a seu respeito que incluem suborno e extorsão. Ele negou com veemência qualquer irregularidade.

Os procuradores argumentarão que Kelly, cujo nome completo é Robert Sylvester Kelly, usou um séquito de empresários, guarda-costas e outros para recrutar mulheres e meninas, às vezes em apresentações, para ele abusar.

Eles disseram que Kelly exigia "compromisso absoluto" das vítimas, incluindo que elas não olhassem para outros homens e o chamassem de "papai".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos