Canceladas na Espanha apresentações de Plácido Domingo após escândalo por assédio

Por Alvaro VILLALOBOS

Um organismo cultural do governo espanhol anunciou nesta quarta-feira o cancelamento de duas apresentações de Plácido Domingo previstas em maio em Madri, decisão tomada no dia seguinte de o tenor ter assumido sua "responsabilidade" em um escândalo de assédio sexual.

O Instituto Nacional das Artes Cênicas e da Música, dependente do Ministério da Cultura, informou em um comunicado que cancelaria a apresentação de Domingo na obra "Luisa Fernanda", prevista para os dias 14 e 15 de maio no Teatro Nacional da Zarzuela.

Isso acontece "diante da gravidade dos fatos e após as declarações de Plácido Domingo (...), em solidariedade com as mulheres afetadas e tornando efetiva essa responsabilidade reconhecida pelo artista".

"O INAEM e o Ministério da Cultura e do Esporte manifestam seu firme apoio às mulheres e o rechaço a todo tipo de assédio, comportamento abusivo ou expressão de dominação", acrescentou.

O cancelamento é duro golpe para o tenor, acusado por pelo menos 20 mulheres de as tocar e beijar à força ou as chantagear em incidentes que em alguns casos já completam trinta anos.

A decisão do Teatro da Zarzuela tem uma forte carga simbólica, já que ali devia celebrar os 50 anos de seu debut, no mesmo lugar onde lançou sua carreira, com mais de 150 papéis em óperas e 12 prêmios Grammy.

As denúncias vieram à tona em agosto do ano passado. Inicialmente, o cantor, de 79 anos, negou categoricamente, mas na última terça-feira mudou de estratégia e emitiu um comunicado em que disse sentir "o sofrimento" causado a essas mulheres, e assegurou assumir "toda a responsabilidade de [suas] ações".

Horas depois, a associação americana de músicos (American Guild of Musical Artists, AGMA) revelou que segundo sua investigação interna o cantor teve "uma conduta inapropriada", e "muitas das testemunhas expressaram temor a represálias profissionais como motivo para não falar antes".

Por essas denúncias, o tenor espanhol abandonou em outubro a direção da Ópera de Los Angeles, que ocupava desde 2003, e teve apresentações em outras cidades dos Estados Unidos canceladas. No entanto, ele continuou trabalhando nos últimos meses na Europa.

- Outros compromissos mantidos -

Na Espanha, o tenor foi ovacionado pelo público da Ópera de Valencia quando participou de "Nabucco" em dezembro.

Na terça-feira, o diretor artístico da ópera, Jesús Iglesias, declarou à imprensa que a direção do Palau de les Arts avaliará as novas informações "e em coerência com os valores da instituição, se avaliarão as possíveis consequências".

O centro de aperfeiçoamento dessa ópera leva o nome de Plácido Domingo. De todas as maneiras, o tenor espanhol não tem espetáculos previstos este ano sobre esse cenário.

Contactado pela AFP, o Teatro Real, em Madri, disse na terça-feira que suas apresentações previstas para maio estão mantidas.

Na Áustria, a Ópera de Viena e o Festival de Salzburgo, onde há apresentações agendadas para junho e agosto respectivamente, disseram que avaliarão a participação do tenor considerando as novas informações.

Em seu site são anunciados numerosos compromissos, em lugares como a Staatsoper de Hamburgo em março, o Bolshoi de Moscou em abril, Verona em junho e o Royal Opera House de Londres em julho.