Camila Pitanga diz que Bolsonaro é a personificação do mal e tem postura genocida

Camila Pitanga está namorando Beatriz Coelho há um ano (reprodução / instagram @caiapitanga)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A atriz Camila Pitanga, a Olga de "Aruanas", revela que o Brasil hoje vive aos moldes de um governo de extermínio. E, segundo ela, a série, que mostra o contraponto entre quem quer arruinar a Amazônia contra quem que defendê-la, abre os olhos do povo para o problema.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

"Aruanas colabora em abrir o olhar para não ficarmos anestesiados e não deixar passar o que está acontecendo. Não é nem questão de esperança, mas de botar a voz no mundo. Sabemos que há um governo com política de extermínio, mas temos sociedade que tem voz e pode falar, pode capitalizar um movimento de repúdio", opina ela em live com o F5.

Leia também

Camila também opina sobre a postura de Jair Bolsonaro sobre o momento em que vivemos de pandemia. De acordo com ela, ele tem uma postura genocida. "Ele está com uma insensibilidade atroz. É a personificação de uma postura fascista, postura genocida, é a personificação do mal."

Parceiro de elenco dela, o ator Luiz Carlos Vasconcelos, o vilão Miguel da trama, tem opinião semelhante. "O dia que se anuncia dez mil mortos ele anda de jetsky? É desumano. Nem passa pela cabeça dele o real sofrimento do outro."