Cafeteria decide banir cliente que reclamou de funcionária que usava bomba para extrair leite materno

Uma cliente fez uma reclamação e afirmou que “teve o almoço arruinado” por uma mulher que usava uma bomba extratora de leite materno [Foto: Getty]

Uma cafeteria baniu uma cliente que reclamou com a dona do estabelecimento e disse ter tido seu almoço “arruinado” por uma funcionária que estava usando uma bomba para extrair leite materno.

A funcionária havia retornado da licença-maternidade há pouco tempo e trabalha no The Veg-Box em Canterbury, Inglaterra. Ela estava extraindo leite materno, discretamente, no canto do estabelecimento.

A cliente se sentiu ofendida ao ver o que estava acontecendo e foi embora da cafeteria, mas voltou no dia seguinte para fazer uma reclamação formal.

A dona da cafeteria, Liz Childs, defendeu imediatamente a funcionária, que admitiu ter se sentido “envergonhada” e “humilhada” pela experiência.

Em uma publicação na página oficial da cafeteria no Facebook, ela escreveu: “Todas as mulheres devem se sentir confortáveis ao amamentar, seja qual for a maneira escolhida, em qualquer lugar. Nossa funcionária havia acabado de voltar da licença-maternidade e estava extraindo leite materno usando uma bomba”.

“Ela foi muito discreta, estava coberta, e não era possível ver nada,” continuou. “Ainda assim, uma cliente reclamou que aquilo havia arruinado o seu almoço e foi embora”.

“Ela voltou no dia seguinte, quando eu lhe disse que nós não permitiríamos que uma funcionária nossa fosse humilhada daquele jeito, e pedimos que ela não voltasse mais”.

Em uma segunda publicação, a dona deixou claro que a cliente ofendida não deveria voltar à cafeteria.

https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=10157008199499866&id=161243004865

“Infelizmente uma de nossas queridas funcionárias foi humilhada por uma cliente mal-educada por estar tirando leite materno discretamente,” escreveu. “Isso é inadmissível e nós nos reservamos o direito de nos recusarmos a servir pessoas assim”.

“Se foi você que fez isso, por favor não volte,” concluiu a publicação.

Os leitores foram rápidos ao demonstrar o seu apoio à decisão da cafeteria nas redes sociais.

Uma cliente escreveu: “Obrigada por cumprir a lei e proteger a sua funcionária da discriminação”.

“A direito de amamentar é assegurado em qualquer lugar que mães e bebês podem frequentar. É uma vergonha que uma cliente tenha se comportado de forma tão desrespeitosa simplesmente por ver uma mãe tentando alimentar seu bebê”.

“Não há nada mais natural do que uma mãe alimentando seu filho. Assim como os adultos, os bebês também precisam comer,” escreveu outra usuária do Facebook.

Em meio à onda de apoio, também surgiram críticas à decisão da cafeteria de banir a cliente.

“Tudo bem se eu urinar em qualquer lugar? Afinal, é algo natural,” uma pessoa comentou. “Não, há banheiros para este tipo de ‘comportamento natural’, e esta é a forma respeitável de viver em sociedade”.

“Fluidos corporais não devem estar presentes em locais onde as pessoas comem. A funcionária não foi discreta o suficiente, pois a cliente conseguiu ver o que ela estava fazendo,” argumentou outra pessoa. “Vocês não têm uma sala específica para funcionários?

Embora na Inglaterra as mulheres tenham o direito de amamentar em qualquer local público assegurado pelo Equality Act 2010, o tema continua despertando polêmica.

No ano passado, uma mãe revelou que um funcionário de um shopping center na Índia sugeriu que ela fosse ao banheiro para amamentar seu bebê.

Danielle Fowler