Cachorrada no poder: conheça a história de cães reais e presidenciais

Nemo, cachorro do presidente da França, faz muito sucesso (AP Photo/Francois Mori, File)

Nos Estados Unidos, a tradição dos pets presidenciais é levada tão a sério quanto a democracia e os partidos políticos. Um dos mais conhecidos, a labradora Sully acompanhou o casal Bárbara e George W. Bush durante os 8 anos de mandato do republicano.

Leia também:

Já o democrata Barack Obama mantinha dois cachorros da raça cão d’água português. Bo e Sunny fizeram sucesso nos dois mandatos em que o ex-presidente esteve na Casa Branca.

Trump quebrou a tradição dos cães presidenciais na Casa Branca

O republicano Donald Trump destoa de seus antecessores. É o primeiro presidente dos EUA em mais de um século a não ter um cão oficial.


Vira-lata real na Inglaterra

Na Inglaterra, a Família Real também é completada pelos seus pets. Elizabeth II tinha dois cães da raça corgi, Holly e Willow. Holly faleceu em 2016, e Willow precisou ser sacrificada em 2018 devido a um câncer. Permanecem com a rainha Candy e Vulcan, que são cruzamentos de um corgi com um Dachshund.

Macron tem um cachorro chamado Nemo

Macron e Nemo são inseparáveis (Alain Jocard/Pool Photo via AP)

O presidente da França, Emmanuel Macron, também resolveu aumentar a população do Palácio do Eliseu adotando um labrador preto chamado de Nemo (referência à personagem do livro “Vinte Mil Léguas Submarinas”, de Júlio Verne).

Hitler teria envenenado seu próprio cachorro

Hitler teve um pastor alemão por muitos anos (Photo by ullstein bild via Getty Images)

Um dos maiores tiranos da história também se derretia com bichos de estimação. Adolf Hitler era muito ligado à cadela Blondi, um pastor alemão que morreu em 1945. Conta a história que Blondi teria testado pílulas envenenadas que o nazista tomaria.

Vira-lata Tori ganhou a sorte grande na Coréia do Sul

O vira-lata Tori conquistou o coração do presidente coreano (South Korean Presidential Blue House via AP)

O presidente da Coréia do Sul, Moon Jae-in, adotou um cachorro de rua, para impulsionar a campanha de conscientização ao não abandono de animais em seu país. Tori, um vira-lata de 4 anos, se tornou o primeiro vira-lata a obter o título de “primeiro-cachorro”.