Bruna Marquezine não está mal em sua estreia como protagonista no cinema

SÉRGIO ALPENDRE

FOLHAPRESS - Algumas premissas de filmes só fazem sentido como brincadeira ou no âmbito do sacrifício, uma ideia fixa que move um personagem a realizar desafios ilógicos por uma causa específica.

Em "Vou Nadar Até Você", longa de estreia de Klaus Mitteldorf que competiu no último Festival de Gramado, a jovem fotógrafa santista Ophelia (Bruna Marquezine, que não está mal em sua estreia como protagonista de cinema) descobre que o pai que ela nunca conheceu está em Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, e resolve ir até ele conforme nos indica o título.

O cinéfilo mais experiente logo se lembrará de "Enigma de uma Vida" (1968), filme de Frank Perry em que Burt Lancaster resolve, por brincadeira, voltar para sua casa, em uma área nobre, nadando nas piscinas dos vizinhos. Aos poucos sua jornada vai se tornando cada vez mais depressiva, até que ele encontra a dura verdade.

No caso de Ophelia, não há brincadeira. Há um pouco de sacrifício, mas por birra. Ao saber que a mãe (Ondina Clais) não quer que ela conheça o pai, Ophelia resolve desobedecê-la. Mas em vez de ir de ônibus, bicicleta ou Uber, ela resolve pular da ponte pênsil de São Vicente (cidade vizinha de Santos) e seguir seu caminho a nado, pegando carona em alguns pontos em que o mar é mais perigoso.

O pai se chama Tedesco (Peter Ketnath, de "Cinema, Aspirinas e Urubus"). É alemão, mas passou muito tempo no Brasil, onde conheceu a mãe de Ophelia. Um belo dia, ele resolveu fazer uma exposição de suas fotos justamente a 250 quilômetros da filha. Ele parece atraí-la misteriosamente, e pretende vigiá-la, com a ajuda de um assistente chamado Smutter (Fernando Alves Pinto).

Tedesco é obcecado em criar variações fotográficas do famoso quadro "Ophelia", do pintor pré-rafaelita inglês John Everett Millais (1829-1896), o que explica o nome dado à filha. Smutter tem o dom de aparecer e desaparecer sem ser notado, e tem uma aparência soturna, porém mutante.

Durante a viagem, tornada longa e exaustiva por capricho, Ophelia procura algumas pessoas que conheceram o pai (por que nunca as tinha procurado é um dos mistérios inexplicáveis do filme). Uma dessas pessoas é o mecânico ogro vivido por Dan Stulbach.

Essa jornada um tanto absurda é marcada por uma série de arestas, que no final desembocam numa solução um tanto óbvia, ainda mais para quem conhece o destino da Ophelia de "Hamlet", obra emblemática de Shakespeare cuja personagem serviu de inspiração a Millais.

Ficamos na dúvida: é isso mesmo que estamos pensando ou há algo mais por trás do desenvolvimento dessa trama? Na ausência de uma resposta concreta (talvez tenhamos de agradecer por isso), podemos reconhecer que o filme, afinal, tem um mérito: a coragem de não se preocupar se o espectador vai entender o sacrifício e os encontros da jovem.

VOU NADAR ATÉ VOCÊ

Elenco Bruna Marquezine, Peter Ketnath, Fernando Alves Pinto

Produção Brasil, 2019

Direção Klaus Mitteldorf 

Quando Estreia nesta quinta (5)

Classificação 16 anos

Avaliação Regular