'Britney x Spears' só reforça o que já se sabia sobre tutela da cantora

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 22.11.2011 - Show da cantora americana Britney Spears, na arena Anhembi em São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 22.11.2011 - Show da cantora americana Britney Spears, na arena Anhembi em São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nesta semana, a Justiça americana determinou que Britney Spears não mais terá sua vida pessoal e profissional controlada pelo pai, Jamie Spears, que exercia a função desde 2008. A decisão põe fim a um drama de mais de uma década que recentemente foi revelado com mais clareza pelo movimento Free Britney e pelo documentário "Framing Britney Spears: A Vida de Uma Estrela".

Entre o lançamento deste último filme, produção do jornal The New York Times, e um novo longa, o documentário "Britney x Spears", recém-lançado pela Netflix, houve uma comoção em torno da situação da cantora. As teorias que tinham um quê de conspiração reveladas pelo primeiro filme se tornaram mais evidentes ao longo dos meses seguintes, e o novo trabalho funciona quase como um ultimato para toda a situação --não à toa, foi em meio à divulgação do filme que Jamie Spears pediu à Justiça para deixar de ser tutor da filha.

"Britney x Spears" reúne depoimentos de pessoas próximas e traz diversos documentos inéditos para corroborar as acusações do Free Britney e de "Framing Britney" --de que a cantora estava sendo explorada num esquema lucrativo pelo pai depois de ser determinada incapaz pela Justiça em 2008. Na visão das autoridades, ela não podia ter o controle cartão de um crédito ou sair de casa para visitar um amigo sem avisar ao tutor, mas poderia fazer turnês milionárias e continuar lançando discos a contragosto.

Os documentos, fornecidos por uma fonte não revelada, são descrições de falas em audiências na Justiça, trocas de mensagens e outros materiais que dão uma riqueza de detalhes a tudo aquilo que os fãs de Britney já sabiam. Se trazem histórias mais íntimas de como se estabeleceu a relação predatória entre a cantora e o pai, os documentos também não contêm novidades substanciais.

"Britney x Spears" é protagonizado pela diretora Erin Lee Carr e pela jornalista Jenny Eliscu, que praticamente vasculham tudo relacionado a Britney a partir de 2007 --ano em que ela perdeu de vez a guarda dos filhos, foi internada numa clínica de reabilitação, além de ter sido vastamente retratada como descontrolada por paparazzi e tabloides e acabar declarada incapaz pela Justiça.

Apesar do esforço da dupla, a sensação é de que o filme nunca decola. Na verdade, é possível muitas vezes perceber uma contradição nas intenções do longa. Afinal, ao mostrar minuciosamente como Britney foi explorada financeira e psicologicamente, o próprio filme acaba fazendo o que condena, novamente expondo a vida íntima da cantora.

"Framing Britney" teve importância por ser o filme que jogou luz sobre toda a situação de Britney, até então conhecida apenas por fãs que captavam mensagens subliminares nos discos ou no Instagram da cantora --embora fosse frágil ao sustentar todas as teorias do movimento Free Britney. Já "Britney x Spears" chega num momento em que a cantora já conseguiu ter o próprio advogado e vê cada vez mais próxima a tão reclamada liberdade.

De várias maneiras, o filme da Netflix até tenta aprofundar a discussão, mas acaba capturado por ela. Promete revelações bombásticas, mas só expande o que já era de conhecimento público. Dá voz a pessoas que foram próximas da cantora naquele momento, só que muitas delas preferem não dar depoimentos mais reveladores para não criar conflito com a curatela.

O que segura "Britney x Spears" é a história inacreditável de como uma cantora pop tão famosa perdeu autonomia sobre a própria vida ao ponto de ser transformada numa máquina de fazer dinheiro para advogados, empresários e o próprio pai --num processo patrocinado pela imprensa sensacionalista e pelo machismo da indústria do entretenimento. O ápice do longa é um áudio da própria Britney, serena e centrada, denunciando os abusos do pai em uma audiência na Justiça americana.

Ao mesmo tempo em que a revelação do drama familiar ajudou Britney em sua busca por se livrar das garras do pai, ela também é uma lembrança amarga dos piores momentos de sua carreira. Isso porque sua vida pessoal voltou ao noticiário e às telas dos cinemas e da Netflix. De certa forma, ela está em vias de reaver a própria liberdade, mas isso não significa que está livre. Todo mundo ainda quer tirar uma casquinha de Britney.

*

BRITNEY X SPEARS

Onde: Netflix

Direção: Erin Lee Carr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos