Brigitte Bardot condenada na França por insultos racistas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Brigitte Bardot deixando o Palácio do Eliseu em 27 de setembro de 2007 em Paris (AFP/ERIC FEFERBERG)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A estrela de cinema Brigitte Bardot foi condenada nesta quinta-feira (4) na França por insultos racistas, após chamar os habitantes da ilha francesa de Reunião, no Oceano Índico, de nativos que "preservaram seus genes selvagens".

Um tribunal de Saint-Denis impôs uma multa de 20.000 euros (cerca de 128 mil reais) à ex-atriz de 87 anos, além de 4.000 euros (cerca de 25 mil reais) à sua assessora de imprensa por cumplicidade.

Bardot, conhecida por sua defesa da causa animal, enviou uma carta em 2019 ao então delegado do governo nesta ilha, denunciando a “barbárie dos habitantes de Reunião com os animais”.

“Os nativos mantiveram seus genes selvagens”, escreveu a protagonista de 'E Deus criou a mulher', que comparou Reunião com “a ilha do diabo”, cuja “população degenerada” ainda está “imbuída” de “tradições bárbaras”.

Suas declarações provocaram uma onda de indignação. A então ministra das Relações Exteriores, Annick Girardin, escreveu-lhe uma carta aberta para dizer que "o racismo não é uma opinião, é um crime".

Um deputado de esquerda, grupos antirracistas e de defesa dos direitos humanos criticaram Bardot, muito próxima da extrema direita e que no passado já foi condenada por ódio racial.

Embora tenha se desculpado com os habitantes de Reunião, ela justificou suas palavras pelo "destino trágico" dos animais da ilha, um "absurdo", para Axel Vardin, um dos advogados dos demandantes.

"Fala de reminiscências de canibalismo. Na verdade, é uma reminiscência de um pensamento colonialista", disse Vardin durante o julgamento. Suas palavras são "dolorosas", acrescentou.

Para a advogada de defesa, Catherine Moissonier, defender animais "é a vida de Brigitte Bardot". A angústia dos animais "é uma realidade em Reunião", acrescentou a advogada.

Bardot, cansada do desgaste da fama e da perseguição aos paparazzi, decidiu em 1973, aos 38 anos, encerrar sua carreira e se dedicar, desde então, a sua segunda paixão: a causa animal.

mah-tjc/bl/mb/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos