“Eu tive muito medo de morrer com uma doença que já tem vacina” diz Bráulio Bessa

·2 minuto de leitura
Bráulio Bessa faz homenagem a Gonzaguinha.

Resumo da notícia:

  • Bráulio Bessa recebeu alta do hospital no sábado

  • O poeta ficou quatro dias internado por causa do Covid-19

  • Bessa compartilhou sobre sua experiência no programa da Fátima Bernardes

Após ficar quatro dias internado, Bráulio Bessa recebeu alta do hospital no sábado (29), e na manhã desta segunda-feira (31), participou de casa, do programa ‘Encontro com Fátima’. O poeta contou detalhes de como ele e sua esposa, Camila Mendes, se sentiram nos primeiros dias de sintomas da Covid-19, quando testaram positivo.

“Quando eu e a Camila testamos positivo, deu uma abalada na cabeça, mas a Camila teve sintomas leves, e eu os primeiros três dias, completamente assintomático, não tive nada, no quarto dia comecei a ter moleza, febre, mas ainda teoricamente tudo normal, a partir do sétimo dia comecei a ter um cansaço, tosse seca, e comecei a ter dificuldade de falar, passei a monitorar a saturação de forma mais rigorosa”.

Leia também

“Foi no oitavo dia da doença que eu desci pra tomar café, e o esforço foi muito grande. Eu não consegui. Deitei no sofá da sala e desse sofá eu já saí pra ambulância com oxigênio, a minha saturação baixou para 88, eu não conseguia ficar em pé, saí de casa bem ruim. Eu fui bem abalado para o hospital”, relatou Bráulio.

Seguindo seu tratamento em casa, o poeta está fazendo fisioterapia respiratória, e comemorou sua alta, mas fez uma crítica sobre a maneira como as autoridades estão conduzindo a pandemia no país. “Quando tem o menor senso de humanidade, vivendo numa pandemia conduzida de forma irresponsável como o nosso país tem conduzido, você não precisa estar com o vírus para estar abalado, ou com a cabeça fraca, só em ver as pessoas perdendo amigos, parentes, é como se fosse um cerco se fechando”.

“Viver no Brasil neste momento, é desesperador! Quando testa positivo, tudo se multiplica. Eu tive muito medo de morrer com uma doença que já tem vacina, e a gente podia estar vacinado”, disse ele que também aproveitou para agradecer os profissionais em suas redes sociais. “Luta e resistência, a pandemia ainda não acabou, vacina salva vidas, cobrem os seus direitos”, finalizou.

O poeta também comemorou a recuperação nas redes sociais. Em um vídeo publicado no Instagram, Bráulio aparece no corredor do hospital, cercado de profissionais da saúde que o aplaudem. "Obrigado, Deus! Obrigado, ciência! Obrigado a todos que me querem bem", escreveu.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos