Porque o Brasil precisa (mesmo) do 'BBB 21'

Marcela De Mingo
·4 minuto de leitura
Vale lembrar que mesmo sendo um programa de entretenimento, o 'BBB 20' trouxe à tona uma série de questões importantes, como sororidade, racismo e machismo (Foto: Divulgação)
Vale lembrar que mesmo sendo um programa de entretenimento, o 'BBB 20' trouxe à tona uma série de questões importantes, como sororidade, racismo e machismo (Foto: Divulgação)

Chegou janeiro, 2020 já ficou para trás (ou quase isso) e não há vacina que tire o tópico 'Big Brother Brasil 21' do topo das conversas no Twitter. Nesta semana, foi anunciado - finalmente! -, o elenco da nova edição, com nomes que prometem mais uma versão histórica do reality show da Globo, e todos nós, de verdade, não vemos a hora do 'BBB 21' começar.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Verdade seja dita, todo mundo já viu por aí também o típico comentário de que o programa é daqueles que "aliena", que desconecta as pessoas da realidade. No entanto, vamos combinar que, em 2021, essa alienação é bem-vinda? O motivo é simples: depois do ano que tivemos, um pouco de entretenimento é mais que necessário. É um respiro, um descanso.

Leia também

Vale observar, por exemplo, o número de séries maratonadas durante o período de quarentena, de músicas escutadas, até de livros lidos. Muitas vezes, essa produtividade de entretenimento (sim, isso também é ser produtivo, de certa forma), foi importante porque estávamos lidando - e ainda estamos - com um contexto social e político bastante caótico.

Esqueça o mundo por um momento. A crise do coronavírus no Brasil atingiu níveis absurdos. O negacionismo gerou uma série de questões estruturais de forma que, em pleno 2021, precisamos explicar para as pessoas porque a vacinação é importante. Temos um presidente, Jair Bolsonaro, que ativamente lutou contra as medidas necessárias para a contenção do vírus, que já fez mais de 200 mil mortos por aqui. O reflexo disso tem sido sentido diretamente na economia - que, aliás, diziam que voltaria a crescer, mas, assim como a imagem do país no exterior, despencou.

Pense ainda no desgaste que as conversas políticas, por mais necessárias que sejam, geram nas pessoas. O cansaço generalizado que acometeu muita gente no fim do ano passado não é sem motivo. O estresse, a ansiedade, a insegurança, a raiva com um governo que parece jogar contra a população, além do trabalho de casa, que riscou todos os limites e fez muita gente trabalhar bem mais do que o combinado inicial, cansou. E qual o problema de buscar um descanso?

Hugo Bonêmer usou o seu perfil no Twitter para fazer um comentário igualmente pertinente sobre o assunto. Depois do anúncio da saída da Ford do Brasil, o que, com certeza, terá um impacto grande na economia e geração de empregos no país, ele falou sobre como alguns setores econômicos parecem ter mais importância do que outros, só que, na hora do aperto, é para o entretenimento que a gente corre atrás de conforto.

E, com certeza, esse será o papel do 'BBB 21' na vida do brasileiro: de conforto após um ano caótico, cansativo e que ainda não acabou. Afinal, infelizmente com a virada do ano os problemas do país não se resolveram magicamente (apesar que a vacina veio!). A luta, a conscientização e a busca por uma vivência política continuam - ainda bem, porque já não era sem tempo! Mas, enquanto isso acontece, em paralelo, é possível se divertir com um programa que vai colocar Fiuk, Projota e Karol Conká na mesma casa, que vai engajar o público em outro assunto que não as questões complexas do país, mesmo que por apenas alguns meses.

Se, no começo da quarentena, a votação do 'BBB 20' atingiu recordes (a casa do um bilhão e meio de votos veio no paradão entre Felipe Priori e Manu Gavassi e foi parar até no Guiness Book) porque teve esse mesmo papel em um momento em que as pessoas ainda não entendiam o que acontecia e como os próximos meses seriam, agora ele volta como um respiro depois de um ano tão complexo e, porque não, difícil.

Em resumo: não desdenhar das artes, do entretenimento, dos trabalhos que esse setor gera (você sabe quantas pessoas trabalham na produção de um 'BBB'?) não só é o mínimo a ser feito, como é inteligente. Quando a política, a vida social, as questões coletivas estão tão em pauta, um pouco de descanso e distração não é um problema, mas, sim, um merecido respiro.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube