Bolsonaro diz que vídeo de reunião pode ser mostrado ao público

Brazilian President Jair Bolsonaro, wearing a face mask, waves to supporters as he arrives at the flag-raising ceremony before a ministerial meeting at the Alvorada Palace in Brasilia, on May 12, 2020, amid the new coronavirus pandemic. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

Após se manifestar várias vezes nesta terça (12) sobre o vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que partes do vídeo pertinentes ao inquérito que investiga uma possível interferência na Polícia Federal podem ser levadas ao público.

O presidente manifestou o desejo através de uma postagem no Twitter na noite desta terça, deixando claro que aceitaria que fossem mostradas apenas parte pertinentes ao inquérito que investiga as acusações do ex-ministro Sergio Moro.

Pessoas que tiveram acesso ao vídeo, mostrado pela primeira vez na manhã desta terça, dizem que Bolsonaro defendeu trocas no comando da PF no Rio de Janeiro para evitar que familiares e amigos fossem prejudicados por investigações realizadas pelo órgão no estado.

Leia também

Bolsonaro afirma durante a reunião que precisava "saber das coisas" que estavam ocorrendo na Polícia Federal do Rio e cita que investigações em andamento não poderiam "prejudicar a minha família" nem "meus amigos".

Anteriormente ao post no Twitter, Bolsonaro se defendeu dizendo que não citava as palavras “Polícia Federal” e “Superintendência” na reunião e que “nunca esteve preocupado porque a Polícia Federal nunca investigou ninguém da minha família”.

O vídeo foi exibido no Instituto Nacional de Criminalística (INC), sede da perícia da Polícia Federal, em Brasília. Estavam presentes Moro e seus advogados, policiais federais, uma equipe da Procuradoria-Geral da República (PGR) e membros da Advocacia-Geral da União (AGU).

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, pediu que a perícia da PF faça a transcrição do vídeo da reunião antes de decidir se irá divulgar ou não o conteúdo.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.