Bolsonaro avalia recriar Ministério da Cultura para ter Regina Duarte no governo

Reprodução

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Bolsonaro avalia recriar ministério para abrigar a atriz no governo federal; amanhã, eles se reúnem para discutir os termos do convite.

  • Dentro do governo, há um entendimento de que o nome da atriz é muito reconhecido para um status de secretaria -- comandada até semana passada pelo dramaturgo Roberto Alvim.

O presidente Jair Bolsonaro avalia recriar o Ministério da Cultura para abrigar a atriz Regina Duarte no governo federal. A informação, divulgada pelo jornal O Estado de S.Paulo, é de interlocutores do Palácio do Planalto. Dentro do governo, há um entendimento de que o nome da atriz é muito reconhecido para um status de secretaria -- comandada até semana passada pelo dramaturgo Roberto Alvim. Ele foi demitido do cargo após protagonizar um vídeo com referências nazistas.

Bolsonaro esperava para este sábado uma resposta da atriz ao convite, mas ela pediu uma reunião pessoal com ele para discutir o acordo. O encontro deve acontecer nesta segunda-feira (20), no Rio, uma vez que o presidente já tinha agendas marcadas na capital fluminense: às 10h, se encontra com o prefeito Marcelo Crivella.

Leia também

Ao Estadão, uma fonte que acompanha as discussões para a sucessão no comando da Cultura informou que  Bolsonaro e a atriz combinaram um encontro pois querem uma "conversa olho no olho". A interlocutores, o presidente disse que a atriz pretende entender o que Bolsonaro espera dela, caso aceite o cargo.

Para Bolsonaro, Regina foi "humilde" ao afirmar que não está preparada para comandar a cultura no governo federal. Ele comparou a frase da atriz com as próprias falas, pois já disse não ser o melhor nome a presidente, de acordo com a mesma fonte. O ex-capitão avalia que não é um problema a atriz já ter feito críticas ao governo, uma vez que todos teriam o direito a divergir.

Caso aconteça, a recriação do Ministério da Cultura pode ser feita por meio de Medida Provisória (MP), a qual passa a valer ao ser publicada no Diário Oficial, embora precise de aval do Congresso Nacional para seguir em vigor. Em 2019, os deputados rejeitaram uma emenda para recriar este ministério, apresentada sobre a MP que estruturou a administração do governo Bolsonaro, rebaixando o status da pasta de Cultura.

O jornal apurou que ainda está indefinido se apadrinhados de Alvim serão mantidos. Sérgio Camargo, que disse existir um "racismo nutella" no Brasil e teve nomeação à Fundação Palmares suspensa pela Justiça, é um destes nomes trazidos pelo dramaturgo a Brasília.

A Secretaria de Cultura está hoje vinculada ao Ministério de Turismo, comandado por Marcelo Álvaro Antônio, suspeito de desviar dinheiro de verba partidária nas eleições de 2018. Caso a pasta permaneça com esse status, Regina será subordinada diretamente a ele.

Se Regina não aceitar o convite, uma das opções cotadas é o ator Carlos Vereza. Procurada, a assessoria de Regina afirmou que ela não pode se manifestar até amanhã.