Bob Dylan é processado por suposto abuso sexual de menina de 12 anos na década de 1960

·1 minuto de leitura
Músico norte-americano Bob Dylan em festival no Reino Unido

Por Lisa Richwine

(Reuters) - Uma mulher não identificada processou o cantor e compositor Bob Dylan, alegando que ele abusou sexualmente dela depois de oferecer a ela drogas e álcool em 1965, quando ela tinha 12 anos.

Um porta-voz de Dylan, agora com 80 anos, disse que as acusações eram falsas. "A afirmação de 56 anos atrás não é verdadeira", disse o porta-voz.

Em um processo civil aberto na sexta-feira na Suprema Corte de Nova York, a mulher identificada apenas como J.C. disse que Dylan abusou sexualmente dela em seu apartamento em Nova York durante um período de seis semanas, "deixando-a emocionalmente marcada e psicologicamente afetada até hoje".

Dylan, que tinha cerca de 20 anos na época, "explorou seu status como músico para fornecer álcool e drogas a J.C. e abusou sexualmente dela várias vezes", afirma o processo.

Dylan emergiu da cena folk de Greenwich Village no início dos anos 1960 para se tornar um dos artistas mais aclamados e influentes da era do rock com sucessos como "Blowin 'in the Wind" e "Like a Rolling Stone".

Ele vendeu mais de 125 milhões de discos em todo o mundo e ganhou o prêmio Nobel de literatura em 2016.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos