George, o bebê real, e seu polêmico traje de batizado

Tá Na Moda

Com apenas três meses de vida George, filho do príncipe William e Kate Middleton, estreia sua primeira polêmica por conta de seu traje de batismo: o mandrião. Sim, a peça que parece um vestido é uma tradicional vestimenta usada em batizados e que faz parte da história da família real britânica desde 1841, quando a rainha Vitória pediu para Janet Sutherland criar o traje para o batizado de sua filha mais velha, também chamada Vitória.

Reza a tradição que o mesmo mandrião seja usado por membros da família e o nome de cada criança fique registrado em forma de bordado. O príncipe Charles e seu filho William, por exemplo, usaram o mesmo mandrião: por causa do desgaste da peça original o pequeno George usou hoje uma réplica.

Nas redes sociais ficou a pergunta: o menino foi batizado de vestido? O mandrião é uma peça unissex, que pode ser usada tanto por meninas quanto meninos. A diferença é que, normalmente, os modelos das meninas são mais enfeitados, com rendas, laços e os frufrus típicos, enquanto o mandrião dos meninos é mais limpo, possui menos detalhes.

A escolha do look de Kate Middleton para a cerimônia, um conjunto “off white”, mesmo tom do mandrião do bebê, ajuda a sinalizar a maneira como o casal Kate e William tem equilibrado modernidade e tradição. O modelo era sóbrio, porém leve e moderno. A grife eleita, a inglesa Alexander McQueen, é considerada umas das mais inovadoras e vanguardistas do mundo. Nos cabelos, o fascinator, espécie de casquete, traz um sopro de modernidade ao tradicional costume real dos adereços de cabeça.

O madrião do pequeno George poderia ter sido mesmo rococó, sem as rendas e babados do modelo do século XVIII? Mantendo a tradição e deixando o filho com as mesmas vestes do avô e do pai o sábio casal usou a moda para comunicar ao mundo e, mais especificamente aos britânicos, que não quer ruptura, mas sim manter tradição e modernidade de mãos dadas.