Bonés e gorros no alvo da lei

São com detalhes que a gente dá aquele toque de estilo pessoal nos looks de cada dia. Uma sobreposição, um sapato diferente, uma bolsa colorida, bijuterias, e por aí vai. Algumas coisas viram até “marca registrada” – a pessoa não parece a mesma sem aquele brincão, vestido estampado ou boné. Ops, boné....

Leia também:
Cinco erros de moda que comprometem a elegância
10 peças essenciais para o outono/inverno
Negócio da China: como comprar roupas em sites chineses sem cair em ciladas

Se essa é sua marca registrada e você mora no Rio de Janeiro, seu estilo pode estar a partir de agora no alvo da lei. Semana passada foi sancionada uma lei estadual proibindo o uso de bonés, gorros e capacetes em locais como bancos, shoppings e condomínios. O objetivo, segundo o texto do projeto, é impedir que bandidos escondam o rosto em câmeras de segurança durante assaltos. Capacetes são totalmente proibidos (o que é coerente) e bonés e gorros desde que mostrem totalmente o rosto da pessoa isentam o “usuário” da multa de R$ 500,00. A abordagem deverá ser feita pelos seguranças do local – que, obviamente, se dizem “confusos” com a chamada “lei do boné”.

Não há quem more aqui no Brasil que discorde que precisamos urgente de mais medidas de segurança. Medidas efetivas. Punir o uso de bonés e gorros me soa como um factóide, ou seja, algo que chama a atenção mas tem pouca utilidade prática (parece que no Brasil somos especialistas nisso...lembre-se que tivemos um presidente da República que proibiu o uso de biquínis nas praias em nome da moral e dos bons costumes).

Não será a proibição dos bonés que vai aumentar o número de crimes solucionados no Brasil. Atualmente, só 8% dos homicídios são resolvidos pela polícia, e não deve constar em nenhum auto que o boné foi o impedimento para isso. Além disso, a aplicação da lei criará um constrangimento ao repassar a autoridade para que seguranças locais abordem pessoas com bonés e gorros. Confusão à vista!

Caberia ao Estado defender o direito de cada cidadão de se expressar através do seu figurino. Em países europeus, por exemplo, o uso de chapéus é algo incorporado ao cotidiano, ainda mais do que aqui no Brasil, onde deveríamos fazer uso do acessório até por conta da proteção solar. Se realmente a segurança fosse uma prioridade no orçamento do estado brasileiro, se as armas e drogas não estivessem compondo o “look do dia”, será que teríamos que nos preocupar com bonés? É, parece que tem alguma coisa fora da ordem...

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos