Vibradores podem ser aliados da menopausa, diz estudo

Preliminares

Muitas mulheres entram em pânico só de pensar na menopausa. Calores, hormônios malucos a deixando descontrolada emocionalmente, mudanças no corpo e a sensação de que se está envelhecendo não tornam o momento mais fácil.

Muitos estudos sobre o tema são conduzidos com a intenção de tornar a fase menos difícil. Reposição hormonal é uma prática comum, apesar de receber críticas de diversos lados. Mas uma cientista da Universidade de Yale, nos EUA, resolveu tentar algo um pouco diferente.

Leia também:
Prazer high tech: vibrador com pen-drive
Despertador e vibrador em um só aparelho. Sim, ele existe!
Prazer discreto: conheça o vibrador líquido

Vibradores. Isso mesmo, a professora de Ginecologia e Obstetrícia Dra. Mary Jane Minkin descobriu que alguns dos desconfortos causados pela menopausa podem ser minimizados com... Prazer! A explicação é a seguinte: a falta de estrogênio diminui o fluxo de sangue na região pélvica, o que causa diminuição na lubrificação, atrofia vaginal e fraqueza da tonificação do músculo. Os vibradores ajudariam a mudar esse quadro.

“Eu recomendo que meus pacientes usem o vibrador de três a quatro vezes por semana e também sugiro lubrificantes para usar em conjunto com o acessório, desde que o produto seja feito com o silicone testado medicinalmente”, explica.

A ideia é exercitar os músculos ali de baixo para que eles fiquem mais saudáveis. No estudo, as mulheres sentiram mudanças em apenas um mês de terapia. E pode ter certeza que elas também ficaram bem mais relaxadas e contentes.

“Minha meta é educar as mulheres de que vibradores não são algo para se sentir envergonhadas – não é só diversão, eles podem inclusive ajudar a mulher a ficar confortável e feliz durante alguns estágios desconfortáveis da vida”.

Na Europa já há locais em que vibradores são vendidos em farmácias, sem nenhum problema em relação a moral e os bons costumes. Será que essa liberdade chega aqui?

Você tem alguma dúvida sobre sexo? Manda para mim no preliminarescomcarol@yahoo.com.br e siga-me no Twitter (@carolpatrocinio).