Em 10 horas, mulheres recebe mais de 100 “cantadas”. Entenda porque isso é uma agressão

carol_patrocinio
Preliminares

Uma ONG estadunidense chamada Hollaback, que luta contra casos de intimidação e assédio verbal sofridos por mulheres nas ruas fez um experimento: colocou a modelo Shoshana B. Roberts caminhando por Manhattan por cerca de dez horas. Ela vestia calça jeans e camiseta, look básico de milhares de mulheres, e o diretor Rob Bliss andava sempre à sua frente, com uma câmera escondida em sua mochila.

O resultado é um vídeo de dois minutos com todos os assédios. Com ele é possível entender como muitos homens questionam a reclamação das mulheres. “Mas é apenas um elogio”, dizem. Bom, quando muitos dos homens que passam por você durante um dia dizem coisas como “nossa!” apenas, você não se sente elogiada. Muito menos ao fim do dia, depois de ter recebido olhares examinadores e comentários pelos quais você não perguntou.





No momento em que os caras passam a andar ao lado dela tentando puxar papo e querendo algo a mais, o seu coração bateu mais forte? Se você é mulher, conhece essa sensação. É um medo sem fim que toma conta do seu corpo, até a visão fica turva. A gente nunca sabe qual vai ser o próximo passo da pessoa. Ele pode te agarrar, te bater ou te empurrar na frente de um carro. Aquele é um total desconhecido que resolver invadir seu espaço para falar sobre os próprios desejos. Ele não se importa com você.

“Pô, Carol, mas como o cara vai se aproximar de uma garota que ele achou bonita?”. Há diversas maneiras e nenhuma delas inclui falar em alto e bom som o que você achou do corpo dela. Ou dizer que ela deve sorrir. Muito menos andar ao lado dela, a deixando apavorada. Quando uma mulher não responde algo que você disse é porque ela não quer mesmo falar com você.

Esse tipo de assédio destrói a segurança de mulheres todos os dias. Mulheres deixam de fazer o que gostam, de estudar ou aceitar certos empregos por causa da distância de suas casas ou de ter que andar em lugares desconhecidos.

Faça a sua parte e iniba seus amigos assediadores. Mostre a eles que aquilo não é elogio, mas agressão. Ajude as mulheres que estão ao seu redor. Um mundo melhor depende de todos nós.

Você tem alguma dúvida sobre sexo? Manda para mim no preliminarescomcarol@yahoo.com.br e siga-me no Twitter (@carolpatrocinio).

Leia também:
Pesquisa afirma que 99,6% das mulheres já sofreram assédio nas ruas 
Agressão não é brincadeira
De quem é a culpa do estupro? Da mulher!