E se quem viu as fotos das famosas nuas que cairam na internet também fosse culpado pelo crime?

Preliminares

No domingo, um site recebeu a publicação de diversas fotos de famosas nuas. As fotos não foram tiradas com a intenção de divulgação. Eram fotos pessoais que estavam no iCloud – serviço de backup do iPhone e outros produtos da Apple - , assim como estão as suas fotos. Uma pessoa foi lá, invadiu as contas e roubou as fotos. E sabe de quem é a culpa? Das mulheres que tiraram as fotos. Não faz sentido? Pois é, não faz.

A extensão do caso é tão grande que a atriz com mais fotos vazadas, a Jennifer Lawrence, teve seu nome mencionado mais de 623 mil vezes no Twitter, em apenas um dia, e recebeu mais de 2 milhões de buscas no Google.

Lembra quando o governo dos Estados Unidos foi acusado de invadir a privacidade das pessoas? Todo mundo ficou bravo, disse que era um absurdo e que isso não poderia acontecer. Mas aí, quando alguém invade a privacidade dessas mulheres, tudo bem? Elas mereciam porque foram burras em tirar as fotos? Não tem algo errado nesse raciocínio?

Claro que tem. Mas é o mesmo erro de sempre. A tentativa de culpar a vítima quando isso interessa. Se uma pessoa invadisse um banco e levasse todo o dinheiro, seria um absurdo – lembram do Collor, né? Por que não é assim com essas fotos? Porque não existe empatia. São apenas mulheres. E pior: são famosas.

A mulher famosa ganha notoriedade, mas perde muitos dos seus direitos. Ela passa a ser um objeto, uma barbie moldada para agradar a grande mídia, os desejos do fãs, alavancar vendas. Esquecem que ela é uma pessoa, que tem uma vida, família, sentimentos. Bem, isso normalmente acontece com qualquer mulher que tem suas fotos nuas vazadas: ela vira apenas uma vadia.

Só é difícil entender o que faria dessa mulher uma vadia. Tirar fotos nua no conforto da sua vida privada? Ter tesão e curtir provocar esse tesão no parceiro ou parceira? Fazer sexo? Explorar sua sexualidade? Gostar de transar? Porque, que eu saiba, pelo que vejo nos e-mails que recebo e nos comentários da coluna, o que se espera de uma mulher é que ela curta tudo isso. Mas aí, quando ela curte, se torna uma vergonha para a sociedade.

As cobranças que as mulheres recebem da sociedade já não fazem sentido. É tipo aquele papo de uma santa na rua e uma puta na cama. Não faz sentido. Mas as coisas começam ir além: a mulher não tem mais direito à sua privacidade, ao seu direito de decisão. E essas coisas são realmente negadas.

Cada vez que falamos que temos o direito de decisão, homens nos dizem que não saber escolher o que é melhor para nós. Mas quando algo como o vazamento de fotos de celebridades acontece, insistem que a gente sabia muito bem que isso ia acontecer e é culpada. Afinal, a gente é ou não capaz? Alguém entende a lógica? Ou a gente só é responsável por aquilo que nos prejudica e todo o resto foi um presente masculino?

No fim das contas, quem busca essas fotos, baixa ou vê nos sites, é tão ruim quanto quem vazou as imagens. Alguma dessas famosas mandou a foto para você? Não. Então você não devia estar vendo. “Ah, mas tá na internet…”. Continua sendo crime: receptação de artigo roubado. E aí as pessoas ainda dizem que o país não vai para frente por causa da política, como se os atos de cada pessoa não se somassem e naturalizassem a corrupção em suas diversas formas…

Os últimos dias foram dias tristes para as mulheres. Ainda deram um nome nojento para o que rolou: fappening (uma mistura de punheta e acontecimento, em inglês). É importante lembrar que quando as fotos da Scarlett Johansson vazaram, os culpados por isso não só foram encontrados como foram condenados: 10 anos de cadeia. Como o estrago, dessa vez, foi muito maior, você duvida que esse hacker vai se dar muito mal? E se essa punição se estendesse a todos que viram as fotos? Se você não tem respeito, tenha medo, vai te fazer bem.

Você tem alguma dúvida sobre sexo? Manda para mim no preliminarescomcarol@yahoo.com.br e siga-me no Twitter (@carolpatrocinio).

Leia também:
Vídeos íntimos, “revenge porn” e lei proposta por Romário
88% das fotos sensuais caseiras caem na rede
O que você tem com a vida sexual alheia?