Caso Karina Veiga: o que você tem com a vida sexual alheia?

Carol Patrocínio
Preliminares

Se tem uma coisa que não consigo entender nessa vida é o interesse que as pessoas têm na vida sexual alheia. Esse interesse ainda se expande em querer meter o bedelho no relacionamento amoroso do outro.

E aí as pessoas acreditam que podem dizer o que é certo e errado, o que deve ser aceito ou não e como a pessoa deve agir. Além disso, quando existem problemas entre um casal, se forma uma corte, um júri popular e as pessoas acreditam que podem dar a sentença final. E ela sempre vem acompanhada de sons de turba descontrolada.

Leia também:
Kristen Stewart e Robert Pattinson, da saga Crepúsculo, reataram o namoro*
Mulher que apronta não merece apanhar?
Mulheres bissexuais são mais safadas?

Foi o que aconteceu nessa madrugada. Uma garota traiu o namorado. Ok, isso acontece todos os dias e não diz respeito a ninguém além do casal. Nem o cara que ela ficou ou teve um caso tem algo com isso. Quem tinha um compromisso era ela e o namorado, mais ninguém, certo?

Aí, é claro, como já estamos acostumados a ver, a internet virou um tribunal. E a garota foi massacrada, afinal, mulher que trai é muito pior do que homem que trai. Ainda não consegui entender essa lógica, mas é o que rola por aí.

Mas dessa vez as coisas não pararam por aí. O cara, com sua macheza ofendida, resolveu se vingar — quanta honra máscula, hein — e colocou fotos dela na internet. É claro que os dois tinham vida sexual, é claro que ela topou que as fotos fossem tiradas, mas tenho certeza que ela nem sonhava que seria exposta dessa maneira.

Ela foi burra em tirar as fotos? Talvez, mas quem sou eu — ou você — pra julgar as taras de cada um? Ela confiava no cara? Claro que sim, porque é isso que faz com que os relacionamentos existam, as pessoas se entreguem e tentem ser felizes. E não, a traição não anula tudo o que eles viveram.

O que mais choca nessa história toda nem é o ego ferido do cara ou a situação triste que a garota vai ter que enfrentar daqui pra frente — porque, diferente da Carolina Dieckman ou da Daniela Cicarelli, por exemplo, as fotos dela não vão sumir da rede, ninguém vai fazer uma varredura pra isso e ela não vai poder ir ao Fantástico dizer como se sente com tudo isso.

O que me deixa mais assustada são as pessoas que fazem que essas imagens sejam divulgadas, que julgam, chamam a garota disso ou daquilo e questionam o tamanho das partes íntimas dela. Sério mesmo, gente? Quando foi que as pessoas se tornaram tão carniceiras assim? É culpa da internet?

Não, não é culpa da internet. Quem dá ordens ao computador é uma pessoa. E essa pessoa, igualzinha a você que está lendo e a mim, que escrevo, acha que tem o poder de decidir o futuro de alguém. A maldade não fica só online, ela vai para o dia a dia e está 100% do tempo com ela.

Falta amor ao próximo, falta respeito, falta empatia e, acima de tudo, falta entender que ninguém tem nada a ver com a vida amorosa de um casal se não for uma das duas pessoas.

Você tem alguma dúvida sobre sexo? Manda para mim no preliminarescomcarol@yahoo.com.br e siga-me no Twitter (@carolpatrocinio).