Luciano Huck pede desculpas após críticas por camiseta infantil

Notas Celebridades

Luciano Huck afirmou que não se exime da culpa por erro em camiseta (Divulgação/TV Globo)

Após a polêmica em relação a sua grife infantil, Luciano Huck, 43, comentou o assunto em seu perfil oficial no Facebook, na tarde desta sexta-feira (06). O apresentador do “Caldeirão do Huck”, da Globo, pediu desculpas aos fãs.

Essa semana vivi uma situação que me deixou muito chateado e que me faz vir a vocês pedir desculpas. Por uma grave falha operacional da marca de camisetas que leva o meu nome, uma estampa direcionada ao público adulto foi lamentável e indevidamente replicada num modelo infantil”, escreveu.

Ainda no mesmo texto, ele explicou outros detalhes dos erros na produção da peça. “Apesar da empresa para a qual licencio o meu nome ter detectado a falha, retirado a estampa do site e também se desculpado publicamente, o fato gerou desconforto e indignação em um número razoável de pessoas entre as quais me incluo. Mas não quero aqui me eximir da culpa. Acho que errei por não ter criado mais mecanismos para zelar pelos processos e evitar que falhas desse tipo pudessem acontecer”, continuou o global.

Mais uma vez, Huck se desculpou pela situação e prometeu ser mais atento a sua marca. “Prefiro pedir humildemente desculpas a quem se sentiu ofendido pelo ocorrido. Posso, sim, me comprometer aqui assumindo o compromisso de que farei absolutamente tudo ao meu alcance para que erros desse tipo não se repetirão. Mais uma vez me desculpem pelo vacilo”, finalizou.

Leia mais:
Angélica e Luciano Huck curtem praia carioca com Eva
Relembre a trajetória romântica de Angélica e Luciano Huck

A polêmica começou na última terça-feira (03) quando alguns internautas comentaram nas redes sociais sobre uma camiseta, da gripe “Use Huck”, que supostamente incentivaria à pedofilia. “Vem ni mim que eu tô facin” era a frase escrita na peça de roupa. O caso está sendo investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

Camiseta infantil levantou polêmica ao supostamente incentivar a pedofilia (Reprodução/Instagram)