Regis Tadeu comenta a agenda de shows de fevereiro

Na Mira do Regis

Veja dicas das apresentações de fevereiro que você não pode perder e os shows que você não deve passar nem perto!

Assista ao 'É Show ou É Fria?' e programe-se com a agenda de shows do mês:

NEGRA LI
2 — SESC Santos — Santos (SP)
Prestes a lançar um novo disco, esta talentosa e subestimada cantora sempre mostra uma elegância ímpar na hora de apresentar seu amálgama de hip hop, soul, r&b, samba e funk dos anos 70, tudo apoiado por bases bem sacadas. Para quem não conhece o trabalho dela, é surpresa na certa. E das boas!

MAYER HAWTHORNE
2 - Cine Joia — São Paulo
3 - Circo Voador — Rio de Janeiro

Este talentoso multiinstrumentista, DJ e produtor não apenas é um excepcional compositor e cantor, mas também um expert em resgatar sonoridades dos anos 60 e 70 e incorporá-las á sua mistura de soul e r&b de um modo quase brilhante. Para melhorar ainda mais, ele e sua banda mandam muito bem em cima do palco — quem viu suas apresentações em janeiro do ano passado comprovou isto.

NAZARETH
2 — Bolshoi Pub — Goiânia
4 — Ilha Verão — Ilha Comprida (SP)
5 — Ono Teatro Bar — Foz de Iguaçu (PR)
9 — Vila Operária — Itajaí (SC)
10 Stage Music Park — Florianópolis
11 — Viola Music - São Mateus do Sul (PR)

Sei que pode parecer incrível o que vou escrever, mas é verdade: os dois mais recentes discos desta famosíssima banda escocesa de hard rockThe Newz (2008) e Big Dogz, lançado no ano passado — são surpreendentemente bons! As adições do bom guitarrista Jimmy Murrison e do eficiente baterista Lee Agnew, filho do baixista Pete Agnew, deram uma sacudida na banda e deixaram os shows mais energéticos. Torça apenas para que o vocalista Dan McCafferty esteja em um bom dia e com a voz em ordem, porque se ele não estiver, será um desastre. É um daqueles shows "roleta russa"...

REVELAÇÃO
3 e 4 — Citibank Hall — Rio de Janeiro (veja o vídeo)

BANDA MANTIQUEIRA & MONICA SALMASO
3 a 5 — SESC Pompéia — São Paulo
A união entre este ótimo grupo e a talentosa cantora tem tudo para propiciar um espetáculo irrepreensível para quem gosta de música brasileira. Além de todos os excelentes músicos envolvidos, a parceria promete render frutos em termos de composições inéditas. E ver isto rolando em primeira mão no palco não é um programa a ser desprezado...

MARTINHO DA VILA & MAÍRA FREITAS
3 a 5 — SESC Vila Mariana — São Paulo
Que ele é um sambista de primeira grandeza, não qualquer dúvida, mas já faz tempo que os shows do malemolente Martinho carecem de algum tipo de novidade. Aqui está uma boa oportunidade de presenciar algo diferente, já que ele recebe uma de suas talentosas filhas, pianista de excelente nível e que tem sua própria - e boa - carreira. Pode ir sem susto, que será uma apresentação bem legal...

NASI
3 a 5 — SESC Bom Retiro — São Paulo
Com o apoio de uma ótima banda de apoio, o ex-vocalista do Ira apresenta um show honesto e bastante vibrante, conduzida por sua voz grave e embebida em bourbon. O repertório tem várias canções de sua ex-banda, de sua carreira solo e mais um monte de coisas condizentes com o rock/blues que formou a sua personalidade musical. Diversão na certa...

ALPHA BLONDY
3 - Chevrolet Hall — Recife
4 — Biruta - Fortaleza
5 - República do Reggae — Salvador

Divulgando o seu mais recente disco — o mediano Vision -, um dos grandes nomes do reggae mundial aporta mais uma vez no Brasil e tem todas as condições de fazer ótimas apresentações por aqui, já que deu uma diminuída na "piração" em sua vida pessoal e tem agora ao seu lado uma excelente banda de apoio. Se souber escolher o repertório, será um show matador. No show de Recife, ele é a atração principal do II Sunsplash Reggae Festival, que terá ainda as participações dos grupos Ponto de Equilíbrio e Manga Rosa, enquanto que na apresentação de Fortaleza a banda de abertura será o Dona Leda.

I Babel Fest
4 - Via Funchal — São Paulo
Este... ahn... "mini festival" tem tudo para rivalizar com o próprio Carnaval no quesito "programa de índio". Duvida? O que você diria de um evento que conta com os terríveis China — um dos sujeitos mais desafinados da história da Humanidade -, o pretensioso Mombojó e o desconhecido DJ Criolina, e que tem como atração principal o "arroz de festa" Manu Chao? Olha, o cara é muito gente fina, é um pesquisador de sonoridades quase incansável, mas o seu som é de uma chatice atroz, capaz de levar ao desespero até mesmo o Dalai Lama. É claro que muitos bocós argumentem "pô, o show do cara é animadão, tá sempre cheio de mulher". Bem, se estes são os tipos de motivos que o fazem sair de casa para ir a um show, qualquer strip-tease de boate de 18ª categoria então já está bom, né?

PEDRO MARIANO
4 — Citibank Hall — São Paulo
O grande problema deste cantor é a sua total falta de carisma. È um problema tão sério que isto acaba contagiando suas canções, que acabam soando como se o Jorge Vercillo resolvesse parar de imitar o Djavan e passar a fazer uma versão mais adocicada do Maurício Manieri. Mesmo com uma ótima banda de apoio, o show não decola nunca. Pena...

TURMA DO PAGODE
4 — Credicard Hall — São Paulo
Quem se importa com mais um dos 3.769 grupos de "pagode chifrudo" que existem por aí? Quem se importa com um grupo que só sabe cantar "lelelê", "laialaiá" e mais um monte de letras ginasianas a respeito de dor do corno? Eu não. E você?

CRIOLO
4 - Circo Voador - Rio de Janeiro (veja o vídeo)

ELTON MEDEIROS
4 e 5 — SESC Belenzinho — São Paulo
Se você gosta de SAMBA — é, com letras maiúsculas -, não pode deixar de ser testemunha de uma apresentação de um dos maiores nomes deste gênero em todos os tempos. Com as participações das boas cantoras Fabiana Cozza e Verônica Ferriani, Elton via desfilar o repertório daqueles "de chorar", uma verdadeira aula para quem pensa que estes pagodeiros xexelentos que andam por aí podem ficar de pé na frente deste mestre. Não deixe de ver esta apresentação de forma alguma!

SELENA GOMEZ
5 — Via Funchal — São Paulo (veja o vídeo)

AMORPHIS
5 — Carioca Club — São Paulo
É da Finlândia que vem uma das mais interessantes bandas da moderna linguagem do metal, divulgando o bom disco que lançaram no ano passado, The Beginning of Times. A sonoridade é densa, pesada, mas cada composição vem recheada de melodias certeiras, que acentuam ainda mais o caráter épico das letras. Isto sem contar que a atual formação da banda manda muito bem em cima do palco. É um daqueles shows a não se perder...

CÉLIA
8 e 9 — SESC Belenzinho — São Paulo
A veterana cantora sempre teve uma voz privilegiada, mas um péssimo gosto na hora de escolher seu repertório. Para mim, este show é uma incógnita, mas a participação especial de Ney Matogrosso pode indicar que vem novidade por aí.

CIDA MOREIRA
9 — SESC Ipiranga — São Paulo
Outra veterana cantora/pianista reaparece em palcos paulistanos divulgando seu mais recente DVD, A Dama Indigna, parte das comemorações no ano passado de seus trinta anos de carreira. Carreira muito digna, diga-se de passagem, pois ela sempre teve uma enorme preocupação artística ao elaborar seus espetáculos e discos. Sozinha no palco, tendo apenas o seu inseparável piano como companheiro, ela vai misturar Brecht, Caetano Veloso, David Bowie, Kurt Weill, Tom Waits e Chico Buarque de um modo exasperante e dolorido, mas igualmente belo.

GAROTAS SUECAS
9 — SESC Santos — Santos (SP)
Esta banda até que faz um som simpático e sacolejante, mas seus shows deixam uma sensação de "trepada pela metade", tanto pela ausência de carisma em cima do palco por parte de seus integrantes quanto pela falta de um som mais encorpado e substancioso, com letras um pouco melhores e arranjos menos previsíveis. Quando resolverem estas questões, suas apresentações vão melhorar e muito. Não acredita no que escrevi aqui? Então vá e comprove...

GRUPO PIXOTE
10 e 11 — Citibank Hall — São Paulo
Até quando teremos que agüentar grupos de pagode fazendo o mesmíssimo som, cantando as mesmíssimas coisas, com as mesmíssimas coreografias? Até quando, meu Deus? Até quando?

EDGARD SCANDURRA
10 a 12 — SESC Bom Retiro — São Paulo
Talentosíssimo guitarrista e bom compositor, o ex-guitarrista do Ira! deu um tempo em suas participações especiais nos shows alheios e voltou a investir em sua própria carreira, mostrando no palco porque é considerado um dos melhores instrumentistas da história do rock nacional. O cara vai mostrar canções de seus trabalhos solo e, claro, músicas de sua ex-banda, ao lado de ótima banda de apoio. Outra grande pedida!

JORGE ARAGÃO
10 — Credicard Hall — São Paulo (veja o vídeo)

CAPITAL INICIAL
11 — Credicard Hall — São Paulo
Podem acusar a banda de qualquer coisa, menos de ser incompetente em cima do palco e de fraquejar na hora de propiciar um show animado. Por ser o único grupo remanescente da cena roqueira brasileira dos anos 80 que conseguiu reciclar o seu público, o quarteto certamente vai exibir um desfile de hits para todo mundo cantar junto e se esbaldar. Isso, claro, para quem tem idade mental inferior a dezessete anos...

TONI TORNADO
11 — SESC Santos — Santos (SP)
Esqueça o ator de novelas. Para quem não sabe, ele foi um dos maiores nomes da cena black/soul/funk brasileira no início dos anos 70 e retorna agora aos palcos com a voz relativamente intacta, uma ótima banda de apoio e várias canções muito legais, daquelas que você ouve hoje dia, mas não faz idéia que é do repertório dele. Vá lá prestar homenagem ao cara, pô...

QUARTETO EM CY
11 e 12 — SESC Pinheiros — São Paulo
Um dos melhores grupos vocais de todos os tempos na história da música brasileira volta à ativa com um show delicado e repleto de belas harmonias, tudo a serviço de um repertório recheado de clássicos. E a apresentação ainda vai contar com as participações de Pery Ribeiro e Wanda de Sá. Resumindo: aula de canto à vista!

WITHIN TEMPTATION
12 - Circo Voador - Rio de Janeiro
Você, garota com seus 18 anos, ainda está começando a andar pela vida e pensa que sabe alguma coisa de heavy metal, tem que saber que este estilo de som tem muitas falcatruas. E uma delas é esta enxurrada de bandas de metal com vocalistas bonitinhas. Desde o surgimento do Nightwish que estas pragas pseudosinfônicas góticas de araque proliferaram como moscas. E este grupo holandês regurgita tantos clichês batidos em termos de som que só engana quem espera por príncipes/princesas vestidos como morcegos em suas vidas. Tenham dó...

TEATRO MÁGICO
12 - Carioca Club — São Paulo (veja o vídeo)

CABARETFAGIA
15 e 16 — SESC Vila Mariana — São Paulo
Aqui está um projeto que pretende reunir artistas que, de alguma forma, tenham seus trabalhos relacionados aos ambientes de cabarés, aquela coisa meio teatral, cafona e triste ao mesmo tempo. Até entendo as presenças de Cida Moreira e da subestimada cantora Suzana Salles, mas o que é que Thiago Petit vai fazer ali? Não faço a mínima ideia...

CÉREBRO ELETRÔNICO
16 — SESC Pompéia — São Paulo
O som desta banda paulistana tem boas sacadas em sua revisitação sônica da Tropicália, mas as tremendas desafinadas do vocalista Tatá Aeroplano quase sempre comprometem a apreciação de suas apresentações. Torça para que o cara faça gargarejos com mel e óleo de pétalas de rosas antes de subir ao palco. Caso contrário...

EXHUMED & ABORTED
17 — Music Hall - Belo Horizonte
18 — Hangar 110 - São Paulo

Nem que você esteja andando pela calçada da vizinhança dos locais destes shows vai conseguir escapar da sonoridade desta banda americana de, sei lá, "gore death metal" ou algo parecido. Os caras tocam muito alto e bem, embora suas canções passem muito longe do termo "memoráveis". Na abertura vai rolar o death metal meio confuso da banda belga Aborted, que nunca vi ao vivo. Se você for chegado em metal extremo, vá lá dar uma conferida e depois conte para a gente o que achou...

SILVER APPLES
17 — SESC Vila Mariana — São Paulo
Esta é uma raríssima oportunidade de ver ao vivo um dos pioneiros da utilização dos sintetizadores no rock, muito antes do Kraftwerk e de toda a cena krautrock dos anos 70. Hoje o nome se refere ao tecladista Simeon Coxe III, um vovozinho maluco e boa praça que experimenta timbres malucos em cima de composições quase minimalistas, tudo a bordo de teclados e osciloscópios analógicos. O som é uma doideira indicada apenas para quem já é iniciado neste tipo de experiência sonora.

MERCENÁRIAS
17 — SESC Belenzinho — São Paulo
Uma das mais criminosamente subestimadas bandas do rock nacional volta com nova formação e com aquele repertório de ótimas canções, que tiveram a audácia de não envelhecer um segundo sequer. O show vai contar com a presença de Edgard Scandurra, que por muito tempo foi o baterista da banda, o que provavelmente vai transformar tudo em uma grande e imperdível festa. Não perca isto de jeito algum!

RENATO TEIXEIRA
18 e 19 — SESC Belenzinho — São Paulo
Em uma época em que qualquer dupla de zé-ruelas pode se vestir de caubói e sair por aqui grasnando canções pseudo românticas e chamar de "sertanejo", um show deste "monstro" da autêntica "música de raiz" deveria ser saudado com o soar de milhares de trombetas. E ainda mais porque suas apresentações sempre trazem um repertório quase perfeito, com arranjos excelentes e um time de músicos de suporte de primeira grandeza. Showzaço!

RAPPIN HOOD
23 — SESC Pompéia — São Paulo
O rapper paulistano tem o mérito de ter sido um dos primeiros a incorporar o samba em seu som. Apesar de ter um repertório bastante irregular, alternando momentos inspirados com pastiches absurdamente batidos, é bem provável que seu show cresça em termos de qualidade e potência por ter uma banda ao seu lado e não apenas um DJ. Dê uma arriscada...

NUNO MINDELIS
23 e 24 — SESC Bom Retiro — São Paulo
Um dos maiores representantes do blues da América do Sul é brasileiro, toca muito, é um compositor de mão cheia e, sabe-se lá por qual motivo, desenvolve uma carreira — internacional, inclusive - muito aquém de seu talento. Se você é daqueles que despreza a linguagem nacional para gêneros estrangeiros, sugiro comparecer a este show e dar o braço a torcer para o som deste excelente guitarrista.

BLUE ÖYSTER CULT
24 — HSBC Brasil — São Paulo
Um dos mais lendários nomes americanas do hard rock dos anos 70, o grupo viu sua popularidade cair nos anos 80 e ressurgir de modo meio tímido a partir do final dos anos 90. Embora conte apenas com dois integrantes de sua clássica formação — o vocalista/guitarrista Eric Bloom e o guitarrista Donald "Buck Dharma" Roeser -, não dá para perder um show destes, em que clássicos como "(Don't Fear) The Reaper", "Godzilla", "Veterans of the Psychic Wars" e tantos outros.

NÁ OZZETTI
24 — SESC Belenzinho — São Paulo
Muito distante do estereótipo "cantora gostosona de voz grossa" que impera nos dias de hoje, ela se tornou uma das mais subestimadas artistas das últimas décadas justamente por não se render aos fáceis apelos do comercialismo. Nesta apresentação ela vai mostrar as canções de seu mais recente disco-solo ao lado de uma boa banda, cujo destaque é o ótimo violonista/guitarrista Mario Manga. Boa pedida para quem quer ouvir MPB de alto nível.

NINA BECKER
24 — SESC Vila Mariana — São Paulo
Uma das mais talentosas cantoras da nova geração da música brasileira — para quem não acredita nisto, sugiro a audição do excelente Azul — surge agora neste espetáculo no qual vai abordar apenas o repertório do lendário compositor Lamartine Babo. É algo tão inusitado que Nina tem tudo para surpreender até a ela mesma. Apesar de contar com as sempre desafinadas participações de China e Karina Buhr, o show é um daqueles eventos em que a curiosidade pode render bons frutos sonoros...

JORGE BEN JOR
24 e 25 - Circo Voador - Rio de Janeiro
Olha, a verdade precisa ser dita: se você viu um show do Benjor, viu todos. A diferença aqui é que o grão mestre do balanço está com uma banda mais enxuta e isto certamente vai trazer uma sonoridade um pouquinho diferente ao caminhão de hits que ele costuma apresentar em suas animadas apresentações. Se eu fosse você, iria...

CACHOORO GRANDE
24 e 25 — SESC Santo Amaro — São Paulo
Esqueça do visual meio ridículo e datado que a banda teima em não abandonar. Por incrível que pareça, as canções dos caras costumam crescer em termos de intensidade e qualidade quando são transpostas para o palco, uma característica essencial para um bom grupo de rock, certo? Por isto, vale a pena dar um drible no preconceito e conferir uma apresentação desta boa banda gaúcha.

LOBÃO
24 e 25 — SESC Pompéia — São Paulo
Não importa se o show que o velho Lobo vai apresentar é acústico ou elétrico. Tanto faz. Porque suas apresentações sempre são repletas de canções excelentes, performances vigorosas, banda de apoio extremamente competente e, claro, o carisma e o bom humor azedo de quem não cansa de ser polêmico. Independente do formato, é diversão na certa…

SOULFLY
24 - Soul Music — Goiânia
25 - Santana Hall - São Paulo
26 - Circo Voador - Rio de Janeiro

Ainda vítima das "viúvas do Sepultura", que não o perdoam por ter abandonado a banda, Max Cavalera volta ao Brasil para mostrar o ótimo som que faz com sua banda. Arrasadoramente potente, o "caldo" sonoro de metal, hardcore, world music e o escambau, é uma ótima oportunidade para se comprovar com a banda é boa em cima dos palcos e como as canções ficam ainda melhores ao vivo. Agora, se você for um "nerdzão true metal", é melhor ficar em casa mesmo...

HAGGARD
25 — Carioca Club — São Paulo
A mistura de música erudita e medieval com heavy metal deste grupo alemão tinha tudo para ser um troço interessante caso eles realmente fizessem uma pesquisa séria a respeito do cancioneiro dos séculos 14 a 16. Como não fazem isto - ao contrario do Finntroll e do In Extremo, por exemplo - o som dos caras é apenas um pastiche de doom metal com uma menina cantando na linha Tarja Turunen e violinos e cellos típicos de cerimônias de casamento húngaros para turistas desinformados.

AUTORAMAS
25 — SESC Belenzinho — São Paulo
Uma das melhores bandas de rock do Brasil merece — e muito — a sua atenção. A mistura de surf music, punk, garage pop e new wave é divertidíssima e o trio — o vocalista/guitarrista Gabriel Thomaz (ex-Little Quail), o baterista Bacalhau (ex-Planet Hemp) e a graciosa baixista Flavia Couri - manda muito bem em cima do palco. Isto sem contar as canções de seu mais recente disco, Música Crocante, que são imperdíveis. Não deixe de ver!

LANNY GORDIN QUARTETO
25 — SESC Osasco — Osasco (SP)
Um dos mais lendários instrumentistas da história da música brasileira, o guitarrista Lanny Gordin mostra ao lado de seu quarto que sua musicalidade voltou a ter parte do brilho do passado, embora caminhando por uma vertente harmônica mais free. Com as presenças especialíssimas, de Edgard Scandurra e de Luiz Carlini, vai ser um daqueles shows para guitarrista algum deixar de assistir.

PAULA LIMA
25 — SESC Santo André — Santo André (SP)
Está a fim de ver como é possível assistir a um show em que soul music, r & b e música brasileira podem ser harmonizados com elegância e bom gosto, com uma bela voz a embalar canções bem harmonizadas e uma banda de apoio 'de responsa'? Então, experimente este aqui. Simples assim...

ZIZI POSSI
25 e 26 — SESC Pinheiros — São Paulo
Para mim é um mistério como uma ótima cantora como ela consegue não cativar as novas gerações que apreciam o melhor que a música brasileira pode oferecer. Só pode ser porque a molecada anda surda. A sutileza com que Zizi aborda o cancioneiro popular é de uma competência tão grande que chega a doer na platéia. Grande pedida!

INOCENTES
27 — SESC Belenzinho — São Paulo
Não deixe de assistir a este show! Não deixe de assistir a este show! Não deixe de assistir a este show! Não deixe de assistir a este show! Não deixe de assistir a este show! Não deixe de assistir a este show! Não deixe de assistir a este show!Não deixe de assistir a este show! Não deixe de assistir a este show! Entendeu? Não? Então... Não deixe de assistir a este show!