É show ou é fria? – Abril de 2012

Na Mira do Regis

Régis Tadeu comenta os shows do mês de março. Assista:

ROBERTA SÁ

1 - Palácio das Artes - Belo Horizonte

Uma das poucas cantoras brasileiras que valem realmente a pena ver e ouvir nos dias de hoje, Roberta faz parte de uma safra musical que privilegia o samba com tintas "mpbezísticas", mas com canções consistentes o suficiente para chamar a atenção. Seu espetáculo é enxuto e coeso, traz boas canções de seu mais recente trabalho, Segunda Pele, e tem na banda de apoio um suporte digno de nota para a sua bela voz. Recomendado!

JOE COCKER

1 - HSBC Arena - Rio de Janeiro

O veteraníssimo e carismático cantor tem tudo para fazer um show memorável. Sua voz rasgada e encharcada de birita ainda é cativante, sua banda de apoio é excelente e seu repertório não deixa de fora seus inúmeros hits. Se você por um acaso andou morando em Marte nos últimos 47 anos e não conhece o trabalho do cara, vai se surpreender ao assistir esta apresentação.

OPETH

1 - Carioca Club - São Paulo

Taí um show que promete ser uma ótima surpresa para quem gosta de heavy metal. O som deste grupo sueco é repleto de influências pouco comuns ao estilo, como folk e jazz, além de apresentar contato íntimo com a música erudita, o rock progressivo e até mesmo o blues. Todo mundo toca bem e os caras estão divulgando um dos melhores discos do ano passado, Heritage. Vá sem susto e com a mente aberta.

MICHAEL BUBLÉ

1 e 2 - Via Funchal - São Paulo

Existem artistas que, por mais que se esforcem, nunca conseguem romper a barreira que separa a cafonice da genialidade — lembro de Brian Ferry neste exato momento. Pois no caso de Bublé, o que acontece é que o canadense tem tudo para suceder Tony Bennett como "embaixador da boa música do passado", mas se perde na escolha de repertório e por demonstrar um excessivo e falso "bom humor", completamente estudado e sem um pingo de espontaneidade. É uma espécie de "Emmerson Nogueira metido em um smoking". É um show indicado para aqueles que sonham em ser entrevistados pelo Amaury Jr.

ROGER WATERS (Assista à crítica no vídeo)

1 e 3 - Estádio do Morumbi - São Paulo

MARIA RITA

1 - Parque Dona Lindu - Recife

8 - Parque das Mangabeiras - Belo Horizonte

22 - Parque do Ibirapuera - São Paulo

29 - Aterro do Flamengo — Rio de Janeiro

Demorou um pouco para que grande parte do público levasse a filha de Elis Regina a sério como cantora. E não há nada de errado com o mundo quando se percebe que ela melhorou muito como cantora. Seu novo espetáculo, dentro do projeto Viva Elis, gratuito, só tem canções da mãe. Há uma dose maior de espontaneidade em suas apresentações e sua banda de apoio é eficientíssima. Para quem nunca a viu em cima do palco, vale a pena dar uma arriscada...

TUNAI

4 - SESC Bauru - São Paulo

Este talentoso e veterano cantor mineiro nunca recebeu os devidos créditos por conta de seu trabalho bem acima da média dos compositores advindos dos anos 70, mesmo que várias de suas canções tenham sido gravadas por Elis Regina, Fafá de Belém e Gal Costa. Este show é uma boa oportunidade para resgatar uma época em que as músicas continham poesia e não um amontoado de frases "dor de corno", que é justamente o que acontece nos dias de hoje.

GAROTAS SUECAS

4 e 5 - SESC Ipiranga - São Paulo

Esta banda até que faz um som simpático e sacolejante, mas seus shows deixam uma sensação de "trepada pela metade", tanto pela ausência de carisma em cima do palco por parte de seus integrantes quanto pela falta de um som mais encorpado e substancioso, com letras um pouco melhores e arranjos menos previsíveis. Quando resolverem estas questões, suas apresentações vão melhorar e muito. Não acredita no que escrevi aqui? Então vá e comprove...

TARJA TURUNEN

4 - Bar Opinião - Porto Alegre

5 - Via Funchal - São Paulo

8 - Vivo Rio - Rio de Janeiro

A conturbada saída do Nightwish fez bem a Tarja e, principalmente, a sua ex-banda. No caso desta beldade, ela pode finalmente botar a sua voz "erudita" em cima de canções melhores e mais condizentes com seus timbres metidos a "operísticos", algo que é tratado como piada por quem realmente entende de música. O que Tarja faz muito bem é o papel de "diva" para um monte de meninas pseudogóticas que sonham com príncipes encantados e moleques que passam mais tempo no banheiro com os encartes de seus discos do que estudando. É um show indicado para quem é MUITO fã destas papagaiadas...

BAILE DO SIMONAL

5 - SESC Pompeia - São Paulo

Capitaneado pelos filhos do "homem" — Simoninha e Max de Castro -, este projeto trata de resgatar as sensacionais canções do cantor mais carismático que este país já viu. Apoiado por uma banda competentíssima e com a possibilidade de aparecerem convidados especiais, este é um daqueles shows em que é impossível ficar sem pelo menos balançar algumas partes do corpo.

CÉREBRO ELETRÔNICO

5 - SESC Santos - Santos (SP)

O som desta banda paulistana tem boas sacadas em sua revisitação sônica da Tropicália, mas as tremendas desafinadas do vocalista Tatá Aeroplano quase sempre comprometem a apreciação de suas apresentações. Torça para que o cara faça gargarejos com mel e óleo de pétalas de rosas antes de subir ao palco. Caso contrário...

FOSTER THE PEOPLE

5 - Cine Joia - São Paulo

O som deste trio americano é o que aconteceria se os Jonas Brothers resolvessem tocar todo o repertório do Franz Ferdinand. Como nunca vi o grupo ao vivo, não vou escrever nada, mas se você está com grana sobrando e quer fazer uma "chinfra", pode ser que a coisa toda funcione em cima do palco. Vá por sua conta e risco.

THIAGUINHO

5, 6 e 7 - Credicard Hall - São Paulo (ASSISTA AO VÍDEO)

MAURICIO MANIERI

5, 12, 19 e 26 - Tom Jazz - São Paulo

O cantor e pianista mostra seu som agora de modo meio intimista, ou seja, você vai ouvir coisas como "Minha Menina" e mais um monte de versões de canções de outros artistas, nacionais e internacionais, em arranjos mais sutis. O fato de ele contar com uma boa banda de apoio ajuda muito em momentos como este.

GOGOL BORDELLO

6 - Beco 203 - São Paulo

Chega a ser inacreditável que muita gente tenha caído no conto desta farsa, que nada mais é que uma tentativa de capturar a atenção - e a grana - de gente que adora as presepadas do Manu Chao e é chegada em um "lance cigano". Porra, pessoal! Vocês precisam é ouvir mais os discos do genial The Pogues e parar de seguir estas palhaçadas...

SODOM

6 - Music Hall - Curitiba

7 - Carioca Club - São Paulo

Confesso que da trinca que forma a grande base do heavy metal alemão, o Sodom sempre foi a banda que menos me atraiu — o Kreator e o Destruction são infinitamente superiores - justamente por conta da fraqueza de suas composições em relação às bandas citadas. Ao vivo a coisa melhora um pouco, já que o trio, que está divulgando seu mais recente disco, In War and Pieces, não faz feio em cima do palco, mas é insuficiente para rotular este show como algo "imperdível". Assista se não tiver outra coisa mais interessante para fazer...

MÓVEIS COLONIAIS DE ACAJU

7 - SESC Belenzinho - São Paulo

Esta banda de Brasília tem na animação de seu repertório um dos grandes trunfos para transformar suas apresentações em festas celebratórias de ska e rock com pitadas de MPB. Mesmo que o vocalista André Gonzalez seja meio inconstante no quesito "afinação", quem sabe você dá sorte e assiste a um bom show que lhe traga um sorriso no rosto?

FRIENDLY FIRES

7 - Cine Joia - São Paulo

Eu desconfio que "show animado" é o que este grupo inglês vai conseguir fazer no Brasil, já que suas apresentações são como uma montanha russa de esfuziantes canções e interação com o público. Se repetirem a performance que fizeram no festival de Glastonbury no ano passado, vai ser um "showzão".

ALMIR SATTER

7 - SESC Santos - Santos (SP)

14 - Via Funchal - São Paulo

Um dos artistas mais dignos da história musical deste país continua sua incansável batalha para mostrar às pessoas que "música sertaneja" não é este festival de lamúrias bregas e choronas que se ouve por aí. Por intermédio de poesia genuinamente agreste e bela, da viola bem tocada e da sinceridade que pontuam canções tão simples quanto pungentes, Almir tem tudo para lhe ensinar a diferenciar as pérolas das bijuterias baratas. Entendeu a analogia?

FLÁVIO RENEGADO

7 - SESC Pompeia - São Paulo

Se você leu o texto que escrevi aqui com o título "A música brasileira vai mal? Você que pensa...", então reparou que um dos artistas da nova geração que indiquei foi justamente este rapper. Logo... O que você está esperando para comprovar as minhas palavras?

LOLLAPALOOZA

7 e 8 - Jockey Club - São Paulo (ASSISTA AO VÍDEO)

LANNY'S QUARTET & CONVIDADOS

7 e 8 - SESC Bom Retiro - São Paulo

Um dos mais lendários instrumentistas da história da música brasileira, o guitarrista Lanny Gordin mostra ao lado de seu quarto que sua musicalidade voltou a ter parte do brilho do passado, embora caminhando por uma vertente harmônica mais free. Com as presenças de Max de Castro e Roney Giah em participações especiais, é um daqueles shows que todo guitarrista deve assistir.

MOMBOJÓ & ODAIR JOSÉ

7 e 8 - SESC Pinheiros — São Paulo

O que pode render o encontro entre uma das bandas mais pretensiosas dos últimos tempos e o veteraníssimo cantor dos anos 70 que foi alçado à condição de "cult" depois de passar toda a carreira sendo considerado "brega"? Como não faço a mínima ideia, o negócio é ir até lá e assistir...

NINA BECKER

7 e 8 - SESC Pompeia - São Paulo

Uma das mais talentosas cantoras da nova geração da música brasileira — para quem não acredita nisto, sugiro a audição do excelente Azul — surge agora neste espetáculo no qual vai abordar apenas o repertório do lendário compositor Lamartine Babo. É algo tão inusitado que Nina tem tudo para surpreender até a ela mesma. Apesar de contar com as sempre desafinadas participações de China — e agora de também de Moreno Veloso, filho você sabe bem de quem -, o show é um daqueles eventos em que a curiosidade pode render bons frutos sonoros...

IMAGINATION feat. LEEE JOHN

12 - HSBC Brasil - São Paulo

O trio britânico Imagination - hoje reduzido ao seu fundador Leee John - foi formado bem no final dos anos 70 e fazia um som funky mais puxado para a timbragem eletrônica dos instrumentos, algo que foi uma verdadeira praga na década seguinte. Vai ser um daqueles shows em que o cara vai tocar meia dúzia de composições de seu grupo e mais um monte de canções alheias. E fique esperto: o sujeito costuma fazer 'presepadas' com playbacks. Torça para que ele pelo menos tenha a decência de contratar uma banda de verdade como apoio...

LOVE AND DEATH

12 - Music Hall - Curitiba

14 - Upper Club - São Paulo

15 - Barra Acústico - Vila Velha (ES)

Esta é a banda que o ex-guitarrista do Korn, Brian "Head" Welch montou depois que foi chutado de lá por ter se convertido ao Cristianismo. O som é bem parecido com aquele que fazia com seu ex-grupo. Vale pela curiosidade. E se prepare para um festival de "pregação"...

CARL BARAT

12 - Beco 203 - São Paulo

Ex-integrante do Libertines ao lado do picaretaço Pete Doherty, o guitarrista vai deixar de lado o seu instrumento e, armado com um violão, vai tocar músicas de suas ex-bandas e... Porra, isto é picaretagem da grossa! Vale mais a pena você chegar cedo e assistir à banda de abertura, uma das melhores do Brasil: o Black Drawing Chalks. Depois, vá bater um papo e tomar uns uísques...

THURSTON MOORE

12 - Cine Joia - São Paulo

Agora que o Sonic Youth foi para o espaço, o guitarrista/vocalista pode finalmente dar vazão a um lado mais doce de sua personalidade musical. Para começar, ele trocou suas guitarras barulhentas por singelos violões para mostrar as canções de sua carreira solo e divulgar seu mais recente trabalho, Demolished Thoughts. Como show de abertura, vai rolar o barulhento e melódico do grupo americano Kurt Vile & The Violators, que faz um som na linha do Dinosaur Jr. Programão!

3 DOORS DOWN

12 - Credicard Hall — SãoPaulo

13 - Citibank Hall - Rio de Janeiro

Se existe uma banda sem a menor personalidade, é esta aqui. O som é uma mistura de Matchbox 20 com Nickelback e mais uns 'trocentos' candidatos do programa American Idol. Para piorar, seus integrantes são tão carismáticos quanto um terreno cheio de cactos. Fuja desta 'roubada'!

JAIR OLIVEIRA

13 - SESC São Caetano - São Caetano do Sul (SP)

Talentoso cantor/compositor/arranjador/multiinstrumentista/produtor, o filho de Jair Rodrigues sempre carrega em suas apresentações uma bagagem sonora que evidencia suas influências advindas do soul, samba, jazz e funk old school, tudo tocado com grande habilidade e delicadeza. Boa pedida!

MARIA GADÚ

13 - HSBC Brasil - São Paulo

Erroneamente chamada de "a nova Cássia Eller", ela faz aquele tipo de som bem quadradinho, asséptico, sem risco, ideal para quem idolatra o Ivan Lins. O show tem uma dinâmica meio arrastada e chega a dar sono em determinados momentos, pois fica-se com a impressão de que ela passa o tempo inteiro cantando uma mesma música. Isso sem contar que ela, fatalmente, vai tocar a pavorosa "Shimbalaiê". Vá por sua conta e risco...

MARIANA AYDAR

13, 14 e 15 - SESC Bom Retiro - São Paulo

Divulgando seu mais recente disco, Cavaleiro Selvagem Aqui Te Sigo, esta cantora torna ainda mais explícito o caráter experimental de sua "MPB esquisita". Se não tem a menor ideia do que escrevo aqui, então eu recomendo que você veja este show e tire suas próprias conclusões.

CHARLIE BROWN JR.

14 - Citibank Hall - Rio de Janeiro

Tão certo quanto o fato de que a banda não tem mais a relevância artística do passado é que o grupo ainda consegue empolgar quem tem menos de dezoito anos de idade e os saudosistas que só ouvem músicas que tocam nas rádios. Se você está incluído nestas categorias, vai se divertir a valer. Caso contrário...

A BANDA MAIS BONITA DA CIDADE

14 - SESC Santos — Santos (SP)

Nem preciso escrever nada, né?

MATANZA

14 - AABB - Macapá (AP)

Muita gente acha um absurdo, mas... Sim, o Matanza é uma banda legal e que faz um show melhor ainda. Ao vivo, os caras mandam muito bem e as canções fazem muito mais sentido do que aquilo que você ouve no CD. È claro que você precisa entrar na vibe "Johnny Cash metal caminhoneiro cafajeste" para curtir e divertir com as canções escrachadas, mas mesmo quem não chegado a este tipo de "podreira" pode curtir a apresentação...

DR. SIN

14 - Espaço Túnel - Itu (SP)

Pessoal no Brasil precisa dar mais valor a certas bandas, como é o caso deste trio extremamente habilidoso na hora de fazer hard rock. Os três integrantes tocam muito e o som é pesado e melódico na medida certa. Se morassem fora do Brasil, já estariam em um patamar muito acima de um monte de bandas americanas 'furrecas'. Showzão!

QUEENSRYCHE

14 - HSBC Brasil - São Paulo

Se existe uma banda de metal pretensiosa, é esta. Liderado pelo vocalista Geoff Tate — cada vez mais parecido com uma versão "traveco" da Angelina Jolie — e tendo no batera Scott Rockenfield um diferencial significativo, o grupo atirou em tantas direções diferentes que hoje não consegue mais acertar qualquer alvo. É uma apresentação indicada apenas para os fanáticos pelo som pomposo e cheio de firulas dos caras. Ah, a banda de abertura será o chatíssimo Fates Warning, um sub-Dream Theater que só entusiasma aqueles que pensam que técnica é melhor que a música em si. Deus do céu, estou fora disto...

OBITUARY

14 - Hangar 110 - São Paulo

O quê? Uma das bandas pioneiras daquilo que a gente conhece hoje em dia como "death metal" vai tocar no Brasil? Não deixe de assistir a este show, pelo amor de Deus! Os caras não têm uma única música ruim e, quando sobem ao palco, não fica pedra sobre pedra. Imperdível!

MARK LANEGAN

14 - Cine Joia - São Paulo

Não perca este show de maneira alguma! O ex-vocalista do Screaming Trees tem uma carreira solo sensacional e, ainda por cima, tem uma voz tão característica e soturna que qualquer canção que ele cante se torna um clássico instantâneo. Vá sem susto!

TULIPA RUIZ

14 - SESC Osasco - Osasco (SP)

Um dos grandes destaques da nova geração de cantoras brasileiras, ela vem se tornando um exemplo de como uma grande voz pode propiciar um belo show. O repertório é bacana, Tulipa é carismática e a banda que a acompanha segura muito bem a onda. Você vai sair do show com vontade de comprar o disco da garota. Pode apostar!

IAN MCCULLOCH

14 e 15 - SESC Pinheiros - São Paulo

Onde quer que se apresente, o vocalista do Echo & The Bunnymen causa comoção, seja pelas canções maravilhosas que toca, seja pelo carisma quase 'blasé' que exala por todos os poros. Nesta apresentação, ele vai tocar covers, coisas de sua carreira solo e, claro, músicas de sua lendária banda, acompanhado apenas de um violão e um quarteto de cordas. Já imaginou ouvir coisas como "Killing Moon" e "The Cutter" neste formato? Não vou perder isto por nada...

SEBASTIAN BACH

14 e 17 - Carioca Club - São Paulo

15 - Opinião - Porto Alegre

Não adianta... Por mais que se esforce para fazer uma carreira solo constante e sólida, ele sempre será lembrado como o ex-vocalista do Skid Row. Seus discos até que contém várias canções pesadas e interessantes, mas a maioria das pessoas vai querer mesmo é ouvir coisas do repertório de sua ex-banda. Apesar de a banda de apoio ser excelente, torça — e muito! — para que o gaiato Sebastian não toque suas baladas horrorosas, principalmente as execráveis "I Remember You" e "18 and Life".

BOB DYLAN (ASSISTA AO VÍDEO)

15 - Citibank Hall - Rio de Janeiro

17 - Ginásio Nilson Nelson - Brasília

19 - Chevrolet Hall - Belo Horizonte

21 e 22 - Credicard Hall - São Paulo

24 - Pepsi On Stage - Porto Alegre

ZECA BALEIRO

16 - HSBC Brasil - São Paulo

Apesar de seus detratores alegarem que ele não faz nada de novo, a verdade é que Zeca Baleiro é um daqueles caras que podem ser acusados de qualquer coisa, menos de ser preguiçoso em relação ao seu trabalho musical. Sempre produzindo boas canções, com arranjos que muitas vezes fogem dos padrões tradicionais e com um discurso encorpado em termos poéticos, ele injeta certa dose de inconformismo dentro de uma cena que se mostra excessivamente passiva.

BRUJERIA

18 - Hangar 110 - São Paulo

19 - Music Hall - Belo Horizonte

20 - CEDEC - Brasília

Quer coisa mais legal que uma ótima banda de grindcore cujos integrantes tocam mascarados — sabe-se que a atual formação tem o baixista Jeffrey Walker (Carcass), o guitarrista Shane Embury (Napalm Death) e o baterista Adrian Erlandsson (Paradise Lost) - e cantam em mexicano umas podreiras político/narcótico/satanistas que eles chamam de "letras"? Resumindo: tem que ir!

VACCINES

18 - Cine Joia - São Paulo

19 - Circo Voador - Rio de Janeiro

A chamada "cena indie" está tão desesperada por uma nova "salvação do rock" que uma banda medianamente legalzinha como esta foi alçada aos píncaros da glória por críticos "mudérnosss" e pela molecada que baba ovo para qualquer pseudonovidade. Tudo bem, as musiquinhas saio simpáticas, a performance de palco de seus integrantes é animada, coisa e tal... Mas daí isto ser considerado como uma "sensação" vai uma distância intergaláctica. Vá ao show e confira.

ZÉ GERALDO

19 - SESC São Carlos - São Carlos (SP)

Que ele é um nome importante na história da MPB, não há dúvida. Mas assistir a um show de Zé Geraldo traz uma conotação de nostalgia que só empolga quem passou grande parte da sua vida universitária tocando violão no meio de um monte de meninas vestidas com batas indianas e cheirando patchouli. Mesmo assim, vale a pena dar uma conferida no show que promove o mais recente disco dele, Catadô de Bromélias, nem que seja para dar umas risadas da plateia "maluco beleza".

ANTIBALAS AFROBEAT ORCHESTRA

19 - Cine Joia - São Paulo

Esta é uma boa oportunidade para ver duas grandes bandas. A principal é o Antibalas e sua eficiente mistura de música africana, jazz e rock, mas você deve chegar cedo ao show para assistir a banda de abertura, que é o sensacional Bixiga 70, que faz um som na mesma praia. Dobradinha sensacional!

MARTINHA & VANDERLEY CARDOSO

19 - SESC Ipiranga - São Paulo

Juro por Deus: nem sei o que escrever a respeito do encontro destes dois astros do passado Jovem Guarda/brega da música brasileira. Vá por sua conta e depois me conte o que rolou...

DEMI LOVATO (ASSISTA AO VÍDEO)

19 - Citibank Hall - Rio de Janeiro

20 e 30 - Credicard Hall - São Paulo


PEDRO MARIANO

19 e 20 - SESC Vila Mariana - São Paulo

28 e 29 - SESC Santo André - Santo André (SP)

O grande problema deste cantor é a sua total falta de carisma. È um problema tão sério que isto acaba contagiando suas canções, que acabam soando como se o Jorge Vercillo resolvesse parar de imitar o Djavan e passar a fazer uma versão mais adocicada do Maurício Manieri. Mesmo com uma ótima banda de apoio, o show não decola nunca. Pena...

CAUBY PEIXOTO

20, 21 e 22 - SESC Bom Retiro - São Paulo

"Canteeeeeei, canteeeeeeeeei, canteeeeeeeeeei..." e "Coonnceiçãaaaaaaaaaaooooooooooo, eu me lembro muito bem…" Se você se emociona ao ouvir isto e não dá a mínima bola para o fato de o Cauby parecer hoje um sósia do Austin Powers em versão brega, então esta apresentação foi feita especialmente para Vossa Excelência. Como não é o meu caso...

MORAES MOREIRA & SPOK QUINTETO

20 - SESC Ipiranga - São Paulo

A união entre o eterno ex-Novos Baianos com o celebrado Maestro Spok e seu quinteto promete estabelecer uma ponte que torne ainda mais explícita a influência do frevo pernambucano na música da Bahia. Para quem é estudioso desta matéria, promete ser um espetáculo mais que interessante.

METAL OPEN AIR

20 a 22 - São Luís (MA)

O que eu posso escrever a respeito de um megafestival que reúne UDO, Anthrax, Annihilator, Megadeth, Fear Factory, Exodus,  Obituary, OTEP, Blind Guardian, Grave Digger, Destruction, Symphony X, Orphaned Land, Exciter e Legion of the Damned?

E ainda contando com algumas pataquadas, como uma banda cover chamada Dio Disciples — formada pelo presepeiro vocalista Tim "Ripper" Owens e por alguns músicos que tocaram com o Ronnie James Dio, como o guitarrista Craig Goldy, o baterista Simon Wright e o tecladista Scott Warren, mais o baixista James Lomenzo (ex-Black Label Society, ex-Megadeth), e um tal de "Rock 'n' Roll All Stars", com Gene Simmons, Glenn Hughes, Joe Elliot (vocalista do Def Leppard), Matt Sorum, Gilby Clarke, Duff McKagan, Sebastian Bach, Billy Duffy (guitarrista do The Cult), Steve Stevens (guitarrista do Billy Idol), Mike Inez (baixista do Alice in Chains) e outros menos votados? E com mais um monte de bandas nacionais, como Ratos de Porão, Korzus, Torture Squad, Matanza, Hangar, Almah, Shaman e André Matos, entre outros?

Torço apenas para que a infraestrutura seja mais que decente, que todo mundo se divirta e ninguém se machuque...

ANA CAROLINA

20 e 21 - HSBC Brasil - São Paulo

Algumas coisas são inegáveis em relação a esta cantora/compositora: 1) seus shows têm canções bem executadas por músicos ultracompetentes; 2) ela está presa dentro de uma fórmula sonora da qual não consegue sair, nem mesmo a ponto de deixar de soar como uma versão roqueira da Simone. Agora, se os momentos "vergonha alheia" propiciados por moçoilas lésbicas e desbocadas na plateia já são uma constante em suas apresentações, vá armado(a) também de dose extra de paciência, já que um DVD estará sendo gravado, ou seja, várias músicas deverão ser tocadas por diversas vezes ao longo do espetáculo.

STEVEN WILSON

21 - Via Marquês - São Paulo

Não me pergunte o que o líder do bom grupo progressivo Porcupine Tree vai fazer por aqui. Sei que ele está promovendo um disco solo, Grace for Drowning, e nada mais. Não teria sido melhor fazer um pouco mais de esforço e trazer a banda do cara — que é muito mais conhecida — para cá? Confesso: este show é uma incógnita total. Vá por sua conta e risco.

LEONARDO

21 - Citibank Hall - Rio de Janeiro

Se você pensa que "romantismo" é ouvir canções tão consistentes quanto um pote de canjica, com letras repletas de poesia de 5ª série de Primeiro Grau, cantadas por um sujeito até que boa-praça, mas que é incapaz de mostrar um pingo de ousadia em seu som, então este show é para você. É um espetáculo em que transbordam emoções de araque. Passe longe!

THE DEVIL WEARS PRADA

21 - Carioca Club - São Paulo

É uma banda cristã americana. Faz uma mistura de metal com hardcore e nu metal "pula-pula". O vocalista Mike Hranica grita coisas ininteligíveis o tempo todo. O baterista Daniel Williams é excelente. Pronto: é tudo isto o que você precisa saber a respeito destes caras.

PATO FU

21 - Curitiba Master Hall - Curitiba

As apresentações da banda são a prova de que é possível fazer um som "bacaninha" e alegre com um frescor sonoro bem vindo. As composições são muito acima da média do que a gente ouve por aí na cena pop/rock nacional, a turma manda bem em cima do palco e a plateia sempre é receptiva às canções. Resumindo: show alto astral é competente.

TRADITIONAL JAZZ BAND

21 - SESC São Caetano - São Caetano (SP)

Uma das mais simpáticas bandas brasileiras tem uma das carreiras mais dignas da história da música nacional. São quase cinquenta anos mostrando o jazz em sua forma mais "roots" e com um bom humor singelo e sempre bem vindo. Assista ao show e saia do local com um belo sorriso no rosto...

DEAD FISH

22 - Inferno Club - São Paulo

Erroneamente considerado como um grupo "emo" por fãs adolescentes retardados, esta banda capixaba faz um som bastante honesto em termos de peso, embora suas letras apresentem certa dose de ingenuidade engajada. Tudo bem que é um som que só entusiasma quem tem menos de dezessete anos de idade, mas...

JORGE & MATEUS

22 - Citibank Hall - Rio de Janeiro

Você já ouviu em demasia estas duplas sertanejas que empesteiam os nossos ouvidos de uns tempos para cá? Já não aguenta mais ouvir falar em Bruno & Marrone e outras porcarias? Está cansado de ver gente vestida de cowboys que só vê terra úmida quando chove no bairro onde mora? Tem vontade de esganar alguém quando ouve músicas que falam "da paixão que sinto por você" e outras na linha "mimimi de dor-de-corno"? Então passe longe do show desta dupla, pois eles apresentam o que de pior pode haver dentro de deste universo sertanejo de araque. Cruz credo!

EXODUS

22 - Carioca Club - São Paulo

27 - Music Hall - Curitiba

Aqui sim está um show imperdível. Liderado pelo ótimo guitarrista Gary Holt, a banda vem ao nosso País para promover seu mais recente álbum, o excelente Exhibit B: The Human Condition, lançado há dois anos. Em cima do palco, vai ser uma pancadaria sonora beirando o sobrenatural, pois a banda ainda carrega uma excelente reputação neste sentido. Não perca isto de forma alguma!

BLIND GUARDIAN & GRAVE DIGGER

23 - Credicard Hall - São Paulo

25 - Master Hall - Curitiba

Dentro de todas as vertentes do heavy metal, poucos grupos fazem canções tão insuportáveis quanto os alemães "gente fina" do grupo que criou o "metal de RPG", um troço tão ridículo quanto engraçado. As letras fantasiosas e bobocas fazem parceria perfeita com a parte instrumental, que mistura em iguais doses música erudita de araque, folk de plástico e um power metal mais chato que assistir a uma partida de dominó. Lógico que os shows estarão lotados - haja vista a quantidade de gente que pensa que é "guerreiro do metal" -, mas se você tem alguns neurônios a mais, vai cair fora desta presepada, ainda mais sabendo que o show de abertura estará a cargo do ridículo Grave Digger e suas músicas medíocres. Fujam para as montanhas!!!

ANNIHILATOR & OTEP

24 - Carioca Club - São Paulo

A banda canadense liderada pelo excelente guitarrista Jeff Waters é uma das melhores coisas que o heavy metal produziu em sua história. Além de um repertório sensacional, os caras tocam muito e o show é uma loucura das mais legais de se assistir. Pena que, em compensação, a banda de abertura, o tal de Otep, seja um dos troços mais chatos e sem criatividade dos últimos tempos, um No Doubt fingindo que é o Pantera. Simplesmente ridículo!

NADA SURF

25 - Cine Joia - São Paulo

Esta banda americana também é daquelas que não têm discos ruins. Cada uma de suas canções trazem altas doses de lindas harmonias e melodias, que suplantam até mesmo a falta de carisma de seus integrantes. Provavelmente você vai ouvir um monte de músicas pela primeira vez neste show e vai se apaixonar por cada uma delas. Eu garanto.

CRIOLO

26 - SESC Taubaté - Taubaté (SP)

Se você deixar de lado toda a babação de ovo por parte da imprensa dita "especializada em cultura" e do público que aplaude qualquer coisa sem ter escutado nada, e não der a menor importância ao messianismo de araque que o cara insiste em exalar em cima do palco, pode até curtir algumas canções do rapper "bola da vez". E escrevo "algumas" porque é isto mesmo: ele acerta a mão em coisas como a linda "Não Existe Amor em SP", mas quando erra... Meu Jesus Cristo!

CHICO MEDORI & OSWALDINHO DO ACORDEON

26 - SESC Ipiranga - São Paulo

Este encontro promete... O baterista do lendário grupo Medusa é um dos músicos mais talentosos e criminosamente subestimados da música brasileira, dono de um estilo personalíssimo e uma técnica esplendorosa, tudo costurado com um extremo bom gosto na hora de transformar isto em música. Da mesma forma, Oswaldinho é um 'monstro' em seu instrumento. A parceria entre estes dois não dever ser perdida de forma alguma!

ROGER HODSON (ASSISTA AO VÍDEO)

26 - Via Funchal - São Paulo

27 - Chevrolet Hall - Belo Horizonte


RACIONAIS MCs

26, 27 e 28 - SESC Pompeia - São Paulo

Se você for daquelas pessoas com a mente aberta em termos musicais, certamente vai gostar de ver a maior banda de rap do Brasil em cima do palco. Evidentemente, é preciso deixar de lado certos parâmetros cênicos do que significa um show para sacar os grooves muito bem escolhidos e as letras certeiras de Mano Brown. Deixe de lado o preconceito e encare esta apresentação como uma "experiência sonoro/literária". Aí o lance tomará outra - e melhor - proporção.

ANTHRAX

27 - HSBC Brasil - São Paulo

Nem vou perder meu tempo escrevendo o quanto este show é essencial para quem gosta de metal e até mesmo para aqueles que ainda nutrem preconceito em relação ao estilo. E ainda mais tendo como bandas de abertura o sensacional Torture Squad e a hilária canastrice "horror punk" do Misfits, aí é programa inesquecível, né?

ROBERTA CAMPOS

27 - SESC Bom Retiro - São Paulo

Ela já deixou de ser uma menina, mas ainda está a caminho de se tornar uma grande artista. Suas canções passam longe da babaquice adolescente, ela nitidamente sabe o que fazer com seu violão e tem certa doçura em cima do palco. Roberta precisa apenas tomar cuidado com extinguir completamente as desafinações que sempre marcaram seus shows. Quem sabe esta apresentação já mostre que tal defeito não existe mais...

KID ABELHA

27 e 28 - Citibank Hall - Rio de Janeiro

A volta da banda depois de um longo hiato mostra que Paula Toller amadureceu como cantora e que seus dois companheiros de banda fizeram um bom trabalho no rearranjo de certas canções. O desfile do tradicional caminhão de hits é feito de modo mais sereno, sem qualquer pressão sonora. Entendo que isto faça sentido para os fãs mais velhos, mas posso apostar também que os mais novos e mesmos aqueles que sempre torceram o nariz para o grupo podem se surpreender com algumas belas melodias.

HERALDO DO MONTE, OLMIR STOCKER "ALEMÃO" & HÉLIO DELMIRO

28 - SESC Araraquara - Araraquara (SP)

O espetáculo Trilogia da Guitarra Brasileira cumpre aquilo que promete entregar: três grandes instrumentistas tocando juntos um repertório acima de qualquer suspeita do quesito "qualidade". Ótimo programa!

MISFITS

28 - Armazém do Café - Catanduva (SP)

Leia o que escrevi a respeito do show do Anthrax e você saberá o que penso a respeito destes caras. Só faço um adendo: o mais recente disco do grupo, The Devil's Rain, é bem bacana. Por isto, o show promete ser bem divertido.

GUSTTAVO LIMA

28 - Credicard Hall - São Paulo

O que pode ser pior que o Luan Santana? Um imitador, claro! E dos mais incompetentes, já que suas canções jamais ultrapassam os limites do patético, o que certamente reflete a idade mental de seu público, que não consegue distinguir um asno de um extintor de incêndio. É a prova viva de que um pseudoartista pode usar de uma "estupidez poética" para enganar um público cada vez mais descerebrado. Passe longe disso, pelo amor de Deus!

THE METEORS

28 - Inferno Club - São Paulo

Uma das mais importantes bandas de psychobilly merecia ter um baterista decente. Esta vai ser a sua impressão depois de assistir ao show deste trio, ainda liderado pelo bom guitarrista P. Paul Fenech, o único membro da formação original e clássica. As músicas são muito boas, cheias de "rockabillys vuduzentos" e insanos, que poderiam render muito mais se tivessem alguém com uma pegada mais rocker e insana nas baquetas e tambores. Mesmo assim, é um show bem recomendável.

DURAN DURAN

28 - Ginásio Nilson Nelson - Brasília
30 - Citibank Hall - Rio de Janeiro

Não perca estes shows de maneira alguma! Quando estiveram no SWU do ano passado, a banda simplesmente arrasou. Fez um show sensacional, com um caminhão de hits, um atrás do outro, com arranjos espertos, todo mundo tocando bem. É uma apresentação com um tremendo alto astral.

EUMIR DEODATO

28 e 29 - SESC Pompeia - São Paulo

Acompanhado por dois músicos extraordinários - o baterista Renato Massa Calmon e o baixista Marcelo Mariano -, o genial Deodato vai mostrar porque sua carreira internacional é respeitadíssima até os dias de hoje. Ele vai mostrar músicas de todas as fases de sua longa e brilhante trajetória, e mais composições de Baden Powell, Vinícius de Moraes, George Gershwin e Richard Strauss, tudo escolhido a dedo e com o seu toque personalíssimo. Não perca!

ROBERTO MENESCAL & ANDY SUMMERS

28 e 29 - SESC Vila Mariana - São Paulo

O encontro entre um dos grandes mestres da bossa nova com o ex-guitarrista do The Police rendeu uma simpática parceria, que se não apresenta grandes traços de ousadia, pelo menos faz com que dois mundos bem diferentes encontrem uma intersecção que causa boas sensações aos ouvidos. Boa pedida!

JAMES

30 - Cine Joia - São Paulo

Houve uma época em que todas as emissoras de rádio que tocavam rock no Brasil e no mundo tinham como hábito incluir todo santo dia a canção "Sit Down", do grupo inglês James. Depois de tanta saturação em termos de exposição, a banda foi deixada de lado até mesmo grande público, embora tenha continuado a gravar discos que ninguém ouviu. São estes caras que vêm agora ao Brasil levantar uns trocados. Se você não se importar em ser cúmplice disto...