Lei Berenice: garantia do direito dos autistas

Mãe de Salto Alto

Oi, leitores!

É incrível a força que nós mães temos, não é mesmo? Desde que me tornei uma comprovei o que já sabia: que nada derruba uma mãe, nada a faz desanimar, nada a faz brigar mais do que os próprios filhos! Que orgulho dessa mulherada! Que orgulho ser uma delas! Mexeu com nossos filhos, mexeu com a gente!

Leia também:
Ex-nadadora Joanna Maranhão faz campanha contra pedofilia
Projeto incentiva doação de cabelos a crianças com câncer

Bom, mas escrevo esse post hoje para elogiar especificamente uma mãe. O nome dela é Berenice Piana de Piana, moradora do município de Itaboraí, mãe de um jovem autista de 20 anos e grande responsável pela criação de uma Lei Federal que garante a matrícula de autistas na rede regular de ensino. Além da lei, essa mãe coragem conseguiu também a criação de uma clínica-escola para os portadores da síndrome que não podem frequentar o ensino regular em sua cidade. Trata-se de uma antiga reivindicação do Movimento Família Azul, do qual ela faz parte. Único no Brasil, é o primeiro local neste molde a oferecer atendimento gratuito para autistas, se tornando referência em todo o país.

A clínica-escola vai atender os autistas e suas famílias. Fisioteraupetas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicopedagogos, nutricionistas e um neuropediatra compõem o time multidisciplinar, conforme manda a lei. A instituição ainda conta com a consultoria gratuita de especialistas americanos e holandeses, com projetos voltados para o tema consagrados em seus respectivos países.

A vitória de Berenice é fruto de muitos anos de luta. O filho Dayan só foi diagnosticado com autismo aos 6 anos. Aos 4 pulou o muro da escola e fugiu. Ela percebeu então que uma criança com a síndrome precisa ser inserida, mas necessita de um preparo para que isso aconteça. Essa é uma das funções da clínica-escola.

Sorte do Dayan e de outros autistas que a Berenice arregaçou as mangas. Em nome de todos, eu agradeço! E torço para que o exemplo dela se espalhe. Precisamos de outras instituições como essa pelo país.

Obrigada, Berenice!

Beijos`
Pati