Menino de oito anos de idade morre após ser espancado por pai homofóbico

O Brasil está de luto esta semana. O Brasil chora, perplexo, pela morte cruel do pequeno Alex, um garoto de apenas oito anos que foi espancado repetidamente pelo pai para aprender a “andar como homem”. As surras foram tão severas e constantes que acabaram por romper o fígado do menino, que morreu em decorrência da hemorragia interna causada pelos ferimentos. O episódio foi um duro golpe para aqueles que defendem castigos físicos e acham que a homossexualidade é um desvio de comportamento e, sendo assim, pode ser corrigido desde que os pais adotem medidas duras para colocar o filho na linha.

Leia também:
E se seu filho fosse gay?
Estudante é vítima de homofobia em São Paulo: até quando, Brasil?
O povo contra Marco Feliciano

Não são raros os casos de religiosos e figuras públicas controversas que defendem castigos ou todo tipo de esforço para “curar” a homossexualidade. Quando acusadas de estimular o ódio e a segregação, essas pessoas afirmam que estão apenas fazendo uso de seu direito à liberdade de expressão. Infelizmente, uma criança precisou morrer para que algumas pessoas percebessem o discurso absurdo adotado por alguns setores conservadores da sociedade no que diz respeito à orientação sexual.

O que esses tipinhos medíocres não percebem, ou fingem ignorar, é que apesar de não dizerem taxativamente, que gays, lésbicas e transgêneros devem sofrer violência, a ideologia que eles propagam posiciona essas pessoas como subcidadãos. Seres não merecedores de respeito ou dignidade em função da orientação sexual que possuem. Isso nos coloca em situação de extrema fragilidade e risco, uma vez que passa a ideia de que não somos como os seres humanos de bem e que, diante disso, qualquer coisa pode ser feita conosco: de humilhação pública a todo tipo de violência e morte.

Claro que homofobia não é o único motivo por trás da violência de que nossas crianças são vítimas mundo a fora. Infelizmente, a inferioridade física transforma os nossos pequenos em objeto dos mais variados tipos de abuso. Não estou dizendo que o caso do Alex é mais grave do que os demais ou que as motivações do pai dele sejam mais escrotas do que a de outros adultos que cometem crimes semelhantes. No entanto é preciso deixar claro que o que aconteceu com o garoto tem raízes claras no preconceito contra gays.

O que aconteceu com o pequeno Alex não é muito diferente do que rola com de homossexuais todos os dias. Por se tratar de uma criança, a história assume ares ainda mais cruéis. Mas não se enganem, dezenas de meninos e meninas de diversas idades são caçados, agredidos e mortos cotidianamente por serem diferentes. No entanto, ao contrário do que aconteceu com o menino Alex, a sociedade vira as costas a essas histórias, jogando a culpa nas vítimas, afinal, eles simplesmente foram punidos por ficarem esfregando sua homossexualidade na cara dos cidadãos de bem. Digam isso para o pequeno Alex, que foi sistematicamente espancado para aprender a andar como homem. Ops, não vai ser possível. Ele morreu por causa dos ferimentos causados pelas surras.

*Tá com dúvida se casa ou compra uma bicicleta? Não sabe se liga ou não para o pretê do escritório? Precisa de uma dica de receita para impressionar os amigos? Tem alguma história boa para dividir? Quer jogar conversa fora? Manda um e-mail para amigoo_gay@yahoo.com.br. Quem sabe eu não tenho um bom conselho para te dar.