Homens, vocês não são tão bonitos quanto pensam

Amigo Gay

Vocês já viram aquele filme produzido para uma campanha publicitária da Dove em que mulheres descrevem a si mesmas para que um artista faça um auto-retrato e os desenhos são comparados com o feito a partir das indicações dada por outras pessoas? Em todos os casos, as protagonistas foram muito mais severas consigo do que os demais. A mensagem do comercial é simples: “Mulheres, vocês são mais bonitas do que imaginam”. Um grupo de humoristas dos Estados Unidos resolveu fazer uma sátira do video, mas passando um recado um pouco diferente: “Homens vocês não são tão bonitos quanto pensam”. Veja o vídeo com a paródia feito por humoristas norte-americanos:

Leia também:
Não sou feliz, mas tenho marido
Machos, Adam Anderson e o sabonete com cheiro de bacon
Mentira tem pernas curtas, relacionamentos surdos também

Claro que se trata de uma brincadeira, mas é impossível não reconhecer que essa visão “idealizada” que uma parcela significativa dos homens tem de si mesmos encontra um pouco de eco na realidade. Mulheres desse meu Brasil corrijam-me se eu estiver errado, mas tenho a impressão que uma boa parte dos caras com quem vocês esbarram por aí se comportam mais ou menos como se fossem a última coca-cola gelada do deserto, não?

Não estou falando de ter boa auto-estima ou gostar de si mesmo. Isso é ser emocionalmente saudável. Refiro-me aqueles homens que foram levados a crer que o centro do universo repousa bem no meio do umbigo deles. Rapazes que se comportam como se o mundo fosse platéia e eles o único astro sob os holofotes. Sujeitos que usam óculos que diminuem a importância dos outros e se vêem diariamente refletidos em espelhos que ampliam seus egos à imensidão sideral. Já pode sentir preguiça, produção?

Esses caras são a “evolução” dos meninos que passaram a infância e adolescência (e boa parte da vida adulta, em alguns casos) majestosamente sentados em um trono ao redor do qual orbitavam uma horda de incansáveis mulheres sempre prontas a servir nosso arremedo de astro rei. Mães, irmãs, tias, avós, madrinhas e empregadas incessantemente empenhadas em garantir que nada faltasse a esse pequeno déspota em formação. Aí, minha nega, quem paga o pato é você, que tem que lidar com esse sujeitinho que acredita, de verdade, que é especial, não por causa dos seus feitos, experiência ou capacidade. Mas porque ele existe. Simples assim.

Eu mesmo, como filho mais novo e membro de uma família repleta de mulheres, aproveitei de bom grado as benesses que a posição de “homenzinho da casa” me garantiram. A diferença é que eu cruzei pela vida com algumas garotas incríveis que me ensinaram a encarar o gênero feminino com respeito e igualdade. Sorte minha.

Vejam bem, não quero vitimizar ninguém. Nem homens, nem mulheres. Como adultos, somos 200% responsáveis pelos comportamentos que assumimos. Os bons e os ruins. Se por um lado o comportamento permissivo de certas mulheres ajuda a cristalizar em alguns homens essa postura de menino de apartamento sempre a espera que alguém os sirva. Por outro, é uma escolha deles ocuparem o papel de patriarca da família dos anos 50.

O que quero dizer, parafraseando uma canção muito famosa, é que “não é a vida como é, mas sim as coisas como estão”. Querida, conquistamos, depois de algumas décadas de luta, o direito de escolhermos em quais histórias queremos nos enfiar. Até mesmo o direito de não nos enfiarmos em história nenhuma. Então, não há razão para se relacionar com um tipo que acha que você está ali para servir de trampolim para ele. Ainda que ele não perceba e que não aja conscientemente.

O ser humano aprende com exemplos. Mesmo quando adultos, temos a tendência a repetir os comportamentos mais aceitos nos grupos aos quais pertencemos. Que tal começarmos a mostrar, com atitudes, que os homens só têm a perder com essa história de se comportar como a última bolacha do pacote?

Não que a mudança vá acontecer da noite para o dia ou de forma homogênea. Não se enganem, sempre vai haver alguma mulher disposta a aturar homem idiota só pelo “prazer” de estar em um relacionamento. E se o sujeito for tão babaca quanto eu acho que ele é, ele vai preferir ficar com a garota mais cordata. Mas pelo menos você vai poder deitar a cabeça no travesseiro com a consciência duplamente tranquila: primeiro porque fez a sua parte, segundo porque sabe que vai estar em relacionamentos pautados na igualdade.

*Tá com dúvida se casa ou compra uma bicicleta? Não sabe se liga ou não para o pretê do escritório? Precisa de uma dica de receita para impressionar os amigos? Tem alguma história boa para dividir? Quer jogar conversa fora? Manda um e-mail para amigo_gay@yahoo.com.br. Quem sabe não eu não tenho um bom conselho para te dar.