Bitcoin: Gates sugere não comprar, a menos que você seja rico como Musk

Marcus Couto
·3 minuto de leitura
Bill Gates não gosta de bitcoins. (Foto: AP)
Bill Gates não gosta de bitcoins. (Foto: AP)

Bill Gates, o bilionário filantropo cofundador da Microsoft, que atualmente trabalha em projetos de reatores nucleares mais seguros e ideias para diminuir a penetração de calor solar na Terra, não está impressionado com o desempenho do bitcoin. Pelo contrário.

Leia também:

Gates falou recentemente em uma entrevista à Bloomberg que o consumo de energia da rede do bitcoin não é positivo para o meio-ambiente. Além disso, ele disse que, a menos que você tenha muito dinheiro para gastar (e perder), é melhor se manter à distância da criptomoeda.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

“Elon tem toneladas de dinheiro e é muito sofisticado, então eu não me preocupo que seus bitcoins vão randomicamente subir ou descer”, disse Gates à Bloomberg.

“Mas eu acho que as pessoas caem nessas manias, e elas podem não ter tanto dinheiro assim, então não sou muito fã do bitcoin, e meu pensamento geral é que se você tiver menos dinheiro que Elon, você provavelmente deveria ter cuidado.”

Recentemente, Gates fez manchetes ao afirmar em entrevista à revista MIT Technology Review que, para evitar uma catástrofe climática de proporções mundiais, a humanidade deve parar de comer carne.

Isso mesmo; Gates acredita que todos nós devemos nos tornar vegetarianos para evitar que a crise do clima se aprofunde ainda mais, com consequências devastadoras.

Isso porque uma quantidade enorme do CO2 – gás que acelera o aquecimento do planeta quando solto na atmosfera – produzido atualmente está ligado à agropecuária e à criação de animais para abate, para alimentar a indústria da carne. Ou seja, interromper o nosso consumo de carne, substituindo-a por opções vegetarianas, seria uma forma eficaz de interromper esse ciclo venenoso do CO2 para o planeta.

Gates, junto à sua esposa, Melinda, disseram em sua mais recente carta anual estarem “otimistas de que o final do começo [da pandemia] está próximo”. Ou seja, sua previsão é de que o mundo está apenas se aproximando do final do primeiro estágio do combate à COVID-19.

Eles acreditam que novos tratamentos, testes e as vacinas vão “em breve começar a achatar a curva de forma importante”.

Ele usou, para ilustrar o momento, uma fala do ex-primeiro ministro inglês Winston Churchill nos anos de guerra contra a Alemanha nazista, após uma vitória importante em 1942: “Esse não é o fim. Não é nem o início do fim. Mas é, talvez, o final do começo.”

Gates revelou que a sua fundação já investiu US$ 1,75 bilhão no combate à COVID-19, financiando pesquisas para o desenvolvimento de novos tratamentos, por exemplo.

Na carta, o casal ainda refletiu sobre a importância de garantir o acesso a vacinas e tratamentos a toda a população, para não haver um aumento na desigualdade no acesso à saúde, e sobre a importância de já nos prepararmos para uma “próxima pandemia”.

“A triste realidade é que a COVID-19 pode não ser a última pandemia. Não sabemos quando a próxima vai nos atingir, seja uma gripe, um coronavírus, ou uma nova doença que nunca vimos antes. O que sabemos é que não podemos ser pegos desprevenidos novamente”, escreve Gates. “A ameaça da próxima pandemia estará sempre suspensa sobre as nossas cabeças – a menos que o mundo tome medidas para preveni-la.”

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube