Bienal Internacional de Arquitetura de SP anuncia curadores da próxima edição

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A equipe Travessias é a grande vencedora do concurso de co-curadoria da 13ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, marcada para ocorrer entre os meses de maio e julho de 2022. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (29) nas redes sociais da premiação.

O grupo é formado por nove brasileiros, que estudam áreas como urbanismo, arquitetura, antropologia, artes plásticas e literatura.

O projeto de Travessias apresentado ao júri propõe a criação de "eixos de atravessamentos" da capital paulista, que sejam articulados a uma série de atividades coletivas da próxima edição da Bienal.

Para isso, a proposta cita recursos como experiência sensorial, acessibilidade, mostras físicas e digitais e outras ações que façam "novos encontros entre pessoas, ancestralidades, memórias e pertencimentos".

Sepake Angiama, uma das juradas do concurso de co-curadoria, afirma que os vencedores serão importantes na 13ª Bienal para promover, principalmente, um diálogo entre os contextos internacionais e brasileiros.

Em nota, a equipe vencedora afirma que a proposta parte do princípio de que "os tecidos urbanos das cidades brasileiras são estruturas marcadas pela fragmentação, atreladas aos violentos processos de colonização e desigualdades".

A 13ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo terá a reconstrução como seu tema, partindo da ideia de "reedificar, refundir e renovar as relações dos grupos sociais com seus espaços" durante e depois da pandemia da Covid-19.