Beyoncé e Taylor Swift fazem história em Grammy dominado por mulheres

Jill Serjeant e Lisa Richwine
·2 minuto de leitura
Beyonce durante o Grammy

Por Jill Serjeant e Lisa Richwine

LOS ANGELES (Reuters) - Taylor Swift e Billie Eilish levaram os troféus principais do Prêmio Grammy no domingo, mas Beyoncé foi a grande vencedora em uma noite histórica marcada por diversas vitórias para as mulheres.

Os quatro Grammys conquistados por Beyoncé --dois deles compartilhados com a vencedora do prêmio de melhor artista nova, Megan Thee Stallion-- elevaram para 28 o número de prêmios de sua carreira, ultrapassando o recorde anterior de uma artista feminina no Grammy, estabelecido pela cantora de bluegrass Alison Krauss.

"Folklore", disco inesperado de Swift gravado durante os lockdowns de coronavírus, foi escolhido como álbum do ano e tornou a cantora de 31 anos a primeira mulher a levar o prêmio para casa três vezes.

Em uma cerimônia com distanciamento social que contou com participações ao vivo e pré-gravadas, os compositores de "I Can't Breathe", da artista de R&B H.E.R, foram premiados pela canção do ano.

Ela foi composta em reação aos protestos do movimento Black Lives Matter, que chacoalharam os Estados Unidos no verão passado após a morte de George Floyd sob custódia da polícia.

A cultura negra também foi celebrada no single "Black Parade" de Beyoncé, que foi escolhido como melhor apresentação de R&B.

"É um época muito difícil", disse Beyoncé, refletindo sobre o acerto de contas cultural sobre o racismo nos EUA.

"Quis exaltar, incentivar, celebrar todas as rainhas e reis negros lindos que continuam a me inspirar e inspirar o mundo todo", acrescentou.

Megan Thee Stallion, de 26 anos, conhecida por defender o empoderamento feminino, saiu com mais dois troféus para seu single "Savage", uma parceria com Beyoncé.

A balada "Everything I Wanted" de Eilish venceu como gravação do ano, e a artista de 19 anos também foi premiada pela faixa-título do próximo filme de James Bond, "007 – Sem Tempo para Morrer".

A cerimônia também visou deixar para trás os efeitos devastadores da pandemia de coronavírus no setor da música ao vivo, incluindo o cancelamento de festivais, turnês e apresentações.

As participações ao vivo e pré-gravadas contaram com nomes como Dua Lipa, Taylor Swift, Post Malone, DaBaby, Black Pumas e Mickey Guyton. Cardi B e Megan se juntaram na apresentação de seu sucesso de verão "WAP", um dos momentos mais atrevidos da noite.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES