Beleza de 'The Undoing' disfarça defeitos da série de Nicole Kidman

TETÉ RIBEIRO
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Por que é tão intrigante assistir a gente rica sofrendo? O canal pago HBO já deve ter encontrado essa resposta, já que esse é um elemento que aparece em muitas das produções recentes do canal. A nova série "The Undoing" traz mais uma vez personagens endinheiradas e desafortunadas, numa saga que mistura assassinato, casamento e casas luxuosas em Manhattan. Mesmo que a história soe familiar, a minissérie, de seis episódios de mais ou menos uma hora cada um, insere eventos instigantes o suficiente para prender o telespectador até o fim. Pelo menos foi essa a impressão que ficou depois do primeiro capítulo, o único a que esta repórter teve acesso para escrever esta crítica. O casal central faz parte da elite de Nova York. Jonathan, papel de Hugh Grant, o marido, é um oncologista pediátrico renomado; sua mulher, Grace, vivida por Nicole Kidman, é uma terapeuta que dedica seu tempo livre organizando festas beneficentes em favor da requintada escola particular que o filho deles, Henry, papel de Noah Jupe, frequenta. Grace e Jonathan têm uma vida sexual saudável e um duplex impecável no Upper East Side, bairro chique da cidade. O único conflito deles é a resistência de Jonathan com as súplicas constantes de Henry para ter um cachorro. De repente, numa manhã, uma mãe da escola de Henry, moradora do Harlem, bairro de baixa renda de Manhattan, cujo filho estuda com bolsa, é encontrada morta, e Jonathan desaparece. As coisas só vão piorando para Grace. Ela continua conseguindo assimilar os dramas de seus pacientes com calma e precisão, mas agora tem uma dúvida fundamental em sua vida íntima -será que conhece realmente o marido? Adaptado do romance "You Should Have Known", da escritora americana Jean Hanff Korelitz, o programa foi criado por David E. Kelley, o mesmo de "Big Little Lies", que também tinha Nicole Kidman no elenco. O roteiro da série entrega de cara grande parte da trama, mas fica óbvio que a história vai ficar ainda mais intrincada nos capítulos seguintes. Esse é um tipo de drama em que os personagens continuam vivendo da maneira mais charmosa possível, mesmo enquanto enfrentam enormes desafios. Isso acaba incomodando um pouco, atrapalha a verossimilhança do enredo, fica tudo levemente falso. Nicole Kidman está confortável no papel de Grace, uma daquelas mulheres que parecem perfeitas. E é um prazer assistir a Hugh Grant num papel muito diferente dos que o tornaram famoso. O elenco de apoio tem nomes como Donald Sutherland, de "Cowboys do Espaço", interpretando Franklin, o riquíssimo pai de Grace que faz questão de exibir a sua falta de interesse nos problemas dos outros. Edgar Ramírez, de "Carlos", constrói seu detetive Mendoza como um homem sinistro e ameaçador. E Lily Rabe, de "The Good Wife", vive uma advogada despachadona amiga de Grace. "The Undoing" tem uma direção de arte impecável. Todas as cenas são lindas, assim como os personagens, os cenários, os figurinos. E a beleza embaça o raciocínio na hora de avaliar a produção por inteiro. E acaba fazendo valer passar por cima dos pequenos defeitos e continuar investindo tempo tentando adivinhar o desenlace dos infortúnios daquela gente. THE UNDOING Quando: Novos episódios na HBO e no HBO Go aos domingos, às 23h Avaliação: Regular