BBB19: Paula presta depoimento em investigação sobre intolerância religiosa

Foto: reprodução/TV Globo

Investigada por intolerância religiosa, Paula, campeã do Big Brother Brasil 19, prestou depoimento na segunda-feira, 16, à Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) do Rio de Janeiro. O delegado titular Gilbert Stivanello informou que pretende concluir o inquérito até sexta-feira.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

A advogada da mineira consultou os autos, e, em seguida, a ex-participante do reality show assistiu ao vídeo do programa contendo as declarações que motivaram a denúncia.

“Ela teve oportunidade de expor sua visão acerca dos fatos e ao fim respondeu às perguntas que lhe foram formuladas. Não há mais diligências a serem realizadas, e o inquérito agora está concluso para que eu elabore o relatório conclusivo. Caso entenda pela prática de ilícito, Paula será indiciada. Uma vez lançado o relatório conclusivo, o inquérito será enviado à Justiça”, explicou o delegado ao YAHOO.

Uma vez na Justiça, o inquérito será direcionado ao Ministério Público, onde o promotor poderá denunciar, representar ao juiz pelo arquivamento ou retornar o procedimento à delegacia para novas diligências, caso entenda necessárias. Ocorrendo denúncia, será dado seguimento a um processo criminal.

Leia mais: Com preconceito e estratégia, Paula apostou no ‘ame ou odeie’ para chegar à final

“O delito de injúria qualificada (por preconceito religioso) tem pena de reclusão de 1 a 3 anos, mas há institutos processuais que podem evitar a imposição de encarceramento, como o sursis processual. Em havendo imposição de pena esta levaria em conta uma série de fatores como os antecedentes da pessoa acusada, o grau de reprovabilidade de sua conduta, os motivos, as circunstâncias, as consequências , etc., dentro dos limites balizados pela lei”, observou Stivanello.

Durante o programa, Paula declarou ter medo do Rodrigo por ele ter contato com “esse negócio de Oxum”. No dia da eliminação de Maycon, por exemplo, insinuou ainda que o carioca, também emparedado, havia feito algum trabalho espiritual para continuar no reality show.

Rodrigo também prestou depoimento e considerou as falas de Paula “ofensa a sua honra pessoal”. Em entrevista após a eliminação, a bacharel em Direito afirmou que precisaria se inteirar do que estava acontecendo, mas que estava disposta a se retratar e que aprendeu que precisava medir melhor as palavras.