BBB19: Milionária, Paula diz que sonha em se casar e ter 'três ou quatro filhos'

Paula, vencedora do BBB19. Foto: Estevam Avellar/TV Globo

O que Paula, vencedora do Big Brother Brasil 19, deseja agora, depois de conquistar o cobiçado prêmio de R$ 1,5 milhão? Conduzir seu “príncipe” ao altar e construir uma família em breve. A mineira de 28 anos contou que pretende levar adiante o relacionamento tão mencionado durante sua participação no reality show.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

“Não sei o que vai ser, mas acho que ele está disposto a tentar alguma coisa, porque ele viu quem eu sou. Quero ser mãe, daqui uns dois ou três anos. Ter três ou quatro filhos e uns porquinhos, que vão entrar no meu casamento, levando as alianças”, disse a ex-participante, em entrevista ao site oficial do programa.

A vitória da loura na competição parece ter sido prevista pela avó paterna, Dona Maria, que mandou uma mensagem certeira à neta na despedida, sem saber que ela estaria confinada no BBB19.

“Quando eu estava indo para o BBB disse para minha avó, que tem 100 anos, que ia fazer uma viagem a trabalho. E quando ela me viu saindo falou: ‘Vai filha, vai que você vai ficar milionária’. Eu não vejo a hora de voltar e agarrar ela, porque ela adivinhou!”, contou, antes de voltar a Lagoa Santa (MG).

Paula também estava ansiosa para rever sua porca de estimação, de 150 kg, chamada Felippa (sim, Pippa é apelido), que ganhou de um tio. “Foi em setembro de 2017, ela nasceu dia 21 e a Hari (sua amiga do confinamento), dia 22 de setembro. Minhas duas melhores amigas!”, afirmou a sister, sobre Hariany, sua parceira desde o início do jogo, que foi expulsa por agressão um dia antes da final.

Paula na final do BBB19. Foto: Paulo Belote/TV Globo

Autêntica no jogo

A vitória de Paula não foi unânime entre o público. Mas, mesmo investigada por intolerância religiosa, a bacharel em Direito afirma que foi “autêntica lá dentro” e que surpreendeu muita gente com sua performance no jogo. Ela se diz orgulhosa de si mesma, porque acha que ninguém apostava nela para ir tão longe na disputa. Para isso, ela conta, aproveitar as dicas do apresentador Tiago Leifert foi fundamental.

“O que a gente gravou muito no começo foi: ‘Meçam o risco de não fazer nada’. Essa foi a primeira que a gente pegou. Não é normal ir para o paredão, não é normal a casa não estar gostando de você. Então, sempre que ele vinha com algum aprendizado, a gente captava e praticava da nossa forma”, explica.

Leia mais: Com preconceito e estratégia, Paula apostou no ‘ame ou odeie’ para chegar à final

Assim como afirmou logo após sua saída do programa, a mineira considera que falou demais e que filtraria mais as coisas, se pudesse.

“O Rodrigo falava: ‘Você não tem filtro, menina. Você se joga mesmo, queria ter um pouco disso’. Isso é muito bom, me ajudou a ganhar o programa, ser sincera, verdadeira, a ser eu. Mas, ao mesmo tempo, eu percebi que era desnecessário, às vezes, eu machucava as pessoas sem perceber”, analisou.

Segundo ela, sua postura fez a diferença diante dos demais participantes. “Se tinha uma situação que podia resolver para não acontecer de novo o povo ficava calado. Eu pensava: ‘Que saco, vocês têm que mostrar para a pessoa que ela está errada para ela arrumar’. Aí, eu fazia esse papel para todo mundo, contava o que estava ruim. Eu estava tentando resolver a vida deles lá dentro”, declarou.