"Boleiros" invadem mundo do 'BBB' em tempo de covid-19 e torcem como nos estádios

Amanda Caroline
·4 minuto de leitura
Neymar Jr. é um dos jogadores que acompanham o 'BBB 20' (Foto: Instagram @neymarjr/TV Globo)
Neymar Jr. é um dos jogadores que acompanham o 'BBB 20' (Foto: Instagram @neymarjr/TV Globo)

O ‘Big Brother Brasil 20’ é um sucesso. Se você ainda tem alguma dúvida disso, aqui vai um número impressionante: o Paredão entre Felipe, Manu e Mari recebeu mais de 1,5 bilhão de votos. Lá no fim de janeiro, que já parece uma época tão distante, confinar famosos e anônimos na casa mais vigiada do Brasil não era uma ideia tão atraente, mas deu certo. Tanto que pessoas que não estavam nem aí para o programa da Globo passaram a acompanhá-lo — e, no caso, estamos falando da turma do futebol.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

Quando nos demos conta, os “boleiros”, que incluem fanáticos pelo esporte e jogadores, também estavam nas redes sociais comentando e torcendo fervorosamente (como se estivessem no estádio) pelos seus favoritos na competição. E olha que os atletas da casa, o surfista Lucas Chumbo e o ginasta Petrix Barbosa, foram eliminados logo no início da edição. Gabigol, Neymar Jr. e outros astros dos campos elegeram seus queridinhos sem muita dificuldade. São eles Babu e o já ex-BBB Felipe Prior. Os motivos são óbvios: o ator é Flamengo até morrer, o arquiteto é corinthiano roxo e ambos acompanham o mundo do futebol.

Leia também

Mas a afinidade com os dois participantes e o estilo de jogo “kamikaze” de Prior não são os únicos motivos pelo quais os “boleiros” sentaram no sofá para assistir ‘BBB’. Em tempo de pandemia do novo coronavírus e de isolamento social, que pausou os campeonatos, uma partida de futebol pode ser substituída por um episódio do reality show. O psicanalista Eduardo Benzatti, pós-doutor em antropologia pela PUC-SP e professor da graduação e pós-graduação da ESPM-SP, explica o movimento. “A reclusão faz com que as pessoas assistam mais televisão e muitos torcedores sentem falta dos eventos esportivos. Acredito que essa transferência de ambientes esteja acontecendo”, analisa. Afinal, o ‘BBB’ não deixa de ser uma competição eletrizante, não é mesmo?

É o caso do santista Rafael Ramos, de 28 anos. O empresário, que se informava sobre o programa apenas pelas redes sociais — principalmente pelo Twitter—, adquiriu o pay-per-view do programa quando ficou sem os jogos do Peixe. Os tuítes sobre futebol deram espaço para os pitacos sobre o programa. “Votei muito para o Prior ficar no último Paredão e torço para que o Babu seja campeão”, revela.

“Boleiros” unidos...

...podem ser vencidos, sim, como já vimos, mas eles estão bem empenhados. Dancinhas, correntes, mutirões de votos... Haja mobilização! “Os torcedores e jogadores montam seus próprios times para divulgar seus favoritos. Eles criam uma sinergia que, sem dúvida, está relacionada com a questão do pertencimento. É sobre pertencer a um bloco, a um time, torcer por alguém em detrimento do outro. O ‘BBB’ também cumpre uma função no isolamento social que é a de extravasar energia e sentimentos”, aponta Benzatti. O especialista também reflete sobre o sentimento de perversidade que está atrelado ao programa, que tem a ver com as campanhas #ForaManu, iniciada pela turma do futebol, e #ForaPrior.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

“Torcem mais para que uma determinada pessoa saia do que pela permanência dos seus favoritos na casa. Querem que o outro se dê mal e, já que não podem matar fisicamente, mata-se a pessoa simbolicamente por meio da eliminação. E quando uma figura como o Neymar escolhe o participante para quem vai torcer, esse movimento é potencializado pelos fãs”, discorre Benzatti.

Tropa do Prior

E por que o arquiteto de 27 anos, o “inimigo das fadas sensatas”, entrou no patamar de um “vingador” para os “boleiros”? Simples: o público se identifica com ele. “Esse anônimo está no lugar que muitos outros gostariam de estar. A ideia de vingança por vias tortas contra os famosos [Manu, no caso] também captura a simpatia de quem assiste”, finaliza o psicanalista. E como disse o apresentador Tiago Leifert no discurso da eliminação de Prior na última terça-feira (31), a trajetória explosiva do paulistano que o fez sobreviver no jogo foi exatamente o que fez ele dar adeus para os dias de confinamento.