'BBB 20': O relacionamento de Guilherme e Gabi é abusivo e você não sabe

Gabi e Guilherme, 'BBB 20'

O 'Big Brother Brasil 20' segue sendo um dos assuntos mais comentados do momento, porém, com um paredão tão importante batendo à porta, precisamos falar sobre relacionamento abusivo

Parece que um assunto e outro não têm qualquer relação, mas, acredite, esse talvez seja o momento mais pertinente de falar sobre a relação de Guilherme e Gabi. Sim, o relacionamento dos dois tem chamado atenção não por causa do beijos quentes, mas por apresentar os traços de uma relação abusiva. 

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

E nos siga no Google News: Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Se você não está familiarizado com o termo, um relacionamento abusivo é todo aquele em que há manipulação, controle, ameaças ou chantagem (pense no marido que usa os filhos para fazer com que a esposa faça algo que ele quer) de um dos lados. 

Como em qualquer situação problemática, quem está de fora com certeza consegue perceber um relacionamento abusivo antes de quem está envolvido na relação. Gizelly chegou a comentar com os outros brothers sobre o assunto, explicando como Gabi agora "está murcha" e como reconhece, por conta de um relacionamento que ela mesmo viveu, os sinais de abuso. 

É verdade, como já foi comentado antes, que Gabi parece estar lidando com outras questões além dessa - como uma depressão que dá os seus sinais dentro do confinamento -, o que só torna o seu envolvimento com Guilherme ainda mais abusivo. Fragilizada, é fácil uma mulher ceder às vontades do parceiro por receio de perdê-lo, por exemplo. Nessa situação, também é possível que ela fique ainda mais suscetível a abusos de ordem psicológica e moral justamente porque não está bem. 

Os sinais estão lá: Guilherme pede para que Gabi para de fazer coisas que ele não gosta que ela faça, implica com coisas pequenas, não gosta que ela fique longe dele… Logo após o anúncio do paredão, por exemplo, o brother reclamou que a cantora não quis passar a noite com ele, tão próximo da eliminação. 

Leia também:

"Tá todo mundo achando que eu to te fazendo mal, eu vou sair daqui", disse ele, enquanto Gabi chorava no chão dizendo que não. Esse tipo de comentário e manipulação é um sinal claro de abuso psicológico, quando o homem se faz de vilão para reforçar o seu controle sobre a mulher. 

O argumento principal é, sempre, o da culpa. "Você só quer me prejudicar", "É tudo culpa sua", "Você vai me fazer mal se continuar assim", são algumas frases comuns do parceiro que se isenta da responsabilidade sobre as próprias ações e joga o peso do relacionamento (seja o seu sucesso ou fracasso) em cima da mulher. É como o homem que trai e diz que o fez porque a mulher não lhe dava atenção o suficiente. 

Falando em traição, uma das grandes discussões do relacionamento entre Gabi e Guilherme foi o fato dele passar tanto tempo ao lado de Bianca, a Boca Rosa, eliminada na semana passada. Enquanto Gabi sofria, ele ficava de mãos dadas com Bia, conversava com ela e deixava a namorada de lado. 

Vale lembrar de um dos casos mais notórios de relacionamento abusivo na televisão aberta: também no 'BBB’, Marcos Hater foi expulso da edição 17 do programa depois de agredir sua namorada dentro do confinamento, Emilly Araújo. O caso virou uma vitrine de como um relacionamento abusivo pode escalonar até chegar na agressão física e na violência doméstica. 

No começo todo relacionamento abusivo parece “normal". Como podemos comprovar em inúmeros relatos, muitas vezes o abusador começa como um verdadeiro príncipe, gentil, educado e romântico, antes de começar com o ciúmes excessivo, o controle escancarado e o comportamento dual, que uma hora ofende a mulher, mas, na outra, demonstra o quanto ele a ama.

Sair de uma relação como essa não é simples. Uma pessoa emocionalmente fragilizada tem certeza que merece uma relação como aquela que vive, e buscar sair de um contexto abusivo leva tempo, paciência e, principalmente, auxílio. Por isso, é um assunto tão delicado de ser abordado - o que precisa ser feito com uma dose extra de cuidado e atenção, principalmente se o relacionamento envolve agressão física. 

Perguntar e dar espaço para a mulher falar sobre o que sente e esperar até que ela dê o primeiro passo em pedir ajuda para sair de uma situação abusiva é sempre o ideal. Em casos de agressão, o mais importante é denunciar o agressor e garantir a segurança da mulher (e seus filhos, caso ela os tenha). Você pode fazer uma denúncia anônima discando 180.