Barroso nega novos ataques e garante lisura da eleição: “Urnas já estavam devidamente carregadas”

Anita Efraim
·3 minuto de leitura
Brazil's Minister of the Superior Electoral Court Luis Roberto Barroso speaks during a the trial against the candidacy of jailed former president da Luis Inacio Lula da Silva, in Brasilia, Brazil, Friday, Aug. 31, 2018. Brazil's general elections will be held on October 7. (AP Photo/Eraldo Peres)
Luís Roberto Barroso é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, negou que tenha acontecido novos ataques aos sistemas eleitorais. Em coletiva na tarde deste domingo, ele garantiu a segurança das urnas eletrônicas.

“Nada ocorreu, tampouco nos últimos dias em relação a ataques. Não houve ataque bem-sucedido no dia de hoje e nós temos muitas razoes para supor que essas informações se refiram a ataques antigos, não saberia precisar de quando, mas com certeza depois de o TSE reforçar sua proteção”, explicou.

“Sempre lembrar que a urnas já estavam devidamente carregadas e fora de rede, então, possíveis ataques cibernéticos não poderiam afetar a votação”, garantiu Barroso.

O ministro do Supremo Tribunal Federal ainda falou sobre um projeto do TSE chamado Eleições do Futuro. “Projeto que nós lançamos para que as empresas de tecnologia apresentem novas propostas de modelo de votação digital que possam, eventualmente, no futuro, substituir as urnas eletrônicas. As urnas eletrônicas foram uma inovação extraordinária, nós temos muito orgulho do funcionamento delas”, afirmou.

Leia também

Barroso explicou que o principal motivo para a mudança de método seriam os valores que envolver ar urnas eletrônicas. A ideia é que o eleitor possa votar por meio do celular. “A proposta de eleições do futuro é para que empresas de tecnologia apresentem modelos de votação que possam, no futuro, substituir as urnas, que funcionam muito bem e são confiáveis, porém elas têm um custo elevado, têm uma necessidade de reposição constante, a cada dois anos nós precisamos repor cerca de 20% das urnas. Com o aumento do dólar isso significa aproximadamente R$ 1 bilhão de reais”, disse Barroso.

Sobre o e-Título, Barroso pediu desculpas aos eleitores que tiveram problemas para fazer consultas pelo aplicativo, mas disse que o principal objetivo do app é a identificação do eleitor na hora de votar. “O sistema está funcionando, ele apenas não está dando vasão de toda demanda. Quanto a justificativa, é ainda possível quem quiser justificar pessoalmente, felizmente, não está havendo aglomeração em nenhuma seção”, afirmou.

Barroso ainda lembrou que, a partir da próxima segunda-feira, 16, a justificativa pode ser feita pelo site da Justiça Eleitoral.

Eleições municipais em todo país

As Eleições 2020 movem praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa tem sido uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

Se você ainda não votou, leve de preferencialmente uma caneta própria para assinar o caderno dos mesários. E não se esqueça de conferir quais são os documentos necessários para votar. Por conta da pandemia, as urnas estão abertas das 7h às 17h (horários de Brasília).

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI. O segundo turno ocorrerá em dois domingos, no dia 29 de novembro de 2020.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.

O que faz um vereador?

Eleito por votos da população, o vereador que é um agente político, trabalha no Poder Legislativo da esfera municipal da federação brasileira. Lembrando que o Brasil é dividido em três grupos de poder: União, Estados e Municípios. Pode-se dizer que o vereador exerce um papel similar ao dos deputados e senadores fazem nas esferas Estados e União. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um vereador, CLIQUE AQUI.