Balanço da pandemia do novo coronavírus às 16h(Bras.)

Covid-19

O novo coronavírus causou pelo menos 373.439 mortes em todo o mundo desde que apareceu em dezembro, de acordo com um balanço realizado pela AFP com base em fontes oficiais, nesta segunda-feira (01) às 16H00.

Desde o início da epidemia, mais de 6.220.110 pessoas em 196 países ou territórios contraíram a doença. Segundo as autoridades, pelo menos 2.599.500 se recuperaram.

Esse número de casos diagnosticados positivos reflete apenas uma parte do número total de infecções devido às diversas políticas dos países para diagnosticar casos.

Desde o dia anterior, às 16H00, foram registradas 2.739 novas mortes e 106.849 infecções em todo o mundo. Os países com os maiores números de mortes são Estados Unidos, com 607, Brasil (480) e Índia (230).

O número de mortos nos Estados Unidos, que confimou seu primeiro óbito ligado ao vírus no início de fevereiro, é de 104.658. O país registrou 1.797.457 infecções. As autoridades consideram que 444.758 pessoas foram curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Reino Unido com 39.045 mortes e 276.332 casos, Itália com 33.475 mortes (233.197 casos), Brasil com 29.314 mortes (514.849 casos) e França com 28.833 mortes (189.220 casos).

Entre os países mais atingidos, a Bélgica amarga a maior taxa de mortalidade, com 82 mortes por 100.000 habitantes, seguida pela Espanha (58) e Reino Unido (58), Itália (55) e França (44).

A China continental (exclui Hong Kong e Macau), onde a epidemia eclodiu no final de dezembro, tem 83.017 pessoas infectadas, das quais 4.634 morreram e 78.307 foram completamente curadas. Nas últimas 24 horas, houve 16 novos casos e 0 óbito.

Nesta segunda-feira, a Europa soma 179.040 mortes (2.166.993 infecções), os Estados Unidos e o Canadá 112.038 (1.889.104), América Latina e Caribe 51.658 (1.029.284), Ásia 16.629 (560.866), Oriente Médio 9.628 (413.951), África 4.314 (151.339) e Oceania 132 (8.574).

Esse balanço foi realizado com dados das autoridades nacionais compilados pelos escritórios da AFP e com informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Devido a correções pelas autoridades ou a publicação tardia de dados, o aumento nos números publicados nas últimas 24 horas pode não corresponder exatamente ao dia anterior.