Bailarinos são como engrenagens em ‘Motriz’

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Tudo começa no chão de fábrica. Com macacões azuis cobertos por outros macacões de plástico, 20 bailarinos realizam movimentos repetitivos. A primeira cena de "Motriz", coreografia de Cassi Abranches para o Balé da Cidade de São Paulo que estreia nesta sexta, no Teatro Alfa, é bastante inspirada pelo cinema. As principais referências de Abranches foram os filmes "Dançando no Escuro", de Lars von Trier, e "Tempos Modernos", de Charles Chaplin.

No longa de Von Trier, Björk faz uma operária prestes a perder a visão que canta e diz sonhar que as máquinas estão fazendo música. Já no clássico de Chaplin, o ator é engolido pelas engrenagens.

Em "Motriz", as engrenagens ganham outros sentidos nos corpos. São mecanismos de transmissão de movimento, em uma dança conectada de humanos ex machina.

Abranches pesquisou os vários significados do conceito de força para sua primeira criação para Balé da Cidade como diretora do grupo. O tema já estava claro para ela há pelo menos um ano.

"Foi um ano tão difícil que todo dia eu me levantava e, no banho, repetia: 'Força, vamos lá!'", diz. Ela se refere tanto ao cenário do país e do mundo, quanto aos desafios enfrentados pelo Balé da Cidade.

Abranches se tornou diretora artística da companhia de dança do Theatro Municipal em setembro de 2021. O Balé estava havia um ano sem diretor após o afastamento de Ismael Ivo (1955-2021) do cargo.

Um pouco depois de ela assumir a direção, o Balé teve de sair de sua sede na Praça das Artes. Em 2020, os bailarinos se mudaram para o complexo ao lado do Municipal, depois de trabalharem por mais de 40 anos em uma sede provisória. Mas logo veio a pandemia. Quando retornaram, os andares destinados ao Balé da Cidade foram interditados por questões de segurança.

Mas a companhia sem-teto manteve a produção. Estreias foram criadas e ensaiadas na cúpula do teatro ou nas salas de aula da Escola de Dança de São Paulo, na Praça das Artes. Criações recentes, como "Sixty-Eight" e "Inacabada", foram feitas em uma academia particular, que cedeu o espaço.

Ali também foi criada "Motriz", dança que diz muito da potência dos bailarinos e de sua resistência. Dessa força estranha surgem outras camadas para a coreografia.

A fábrica vai aos poucos se humanizando. Uma mulher percorre o palco aos trancos e barrancos, atropelada pela pressa de uma pequena multidão. A maioria esbarra indiferente, mas alguns a amparam.

Atração e repulsão se materializam no pas de deux de um casal amarrado por grossas faixas de elásticos. A violência chega em massa, com símbolos corporais como o "mãos ao alto!" das batidas policiais. Mas também em posturas de resistência, como a palma da mão estendida de uma mulher, o braço para o alto com o punho cerrado.

O clima muda quando entra em cena o que a coreógrafa chamou de força da natureza. Em um solo fluido, uma bailarina flutua. É quase uma entidade: Abranches usou como inspiração elementos de dança de orixás femininas, mas que se manifestam como pequenos toques. Mais à frente, as filhas dessa entidade surgem em movimentos desconstruídos. A presença das mulheres é marcante.

Muitas ideias apareceram quando Abranches ouviu a trilha do BaianaSystem, grupo que ganhou o Grammy Latino em 2019 com sua mistura de guitarra baiana e sistemas de som populares na Jamaica.

Mas o começo não foi tão fácil para ela, que dançou no grupo Corpo por 12 anos. "Quando recebi a música do BaianaSystem, bateu um desespero. Era algo diferente, sem ritmo definido ou pulso marcado." Foi tranquilizada pelo marido, Gabriel Pederneiras, que assina a iluminação de "Motriz", que a incentivou a ir por caminhos novos.

Em "Motriz", o que dá ritmo e pulso é a força do próprio movimento de dança para então, na cena final, a potência sonora e a corporal se unirem. Os bailarinos tremem como se tivessem recebido um choque e a corrente elétrica é descarregada por todos.

*

MOTRIZ

Onde: Teatro Alfa - r. Bento Branco de Andrade Filho, 722, São Paulo.

Classificação indicativa: Livre.

Quando: Sex., às 20h30; sáb., às 20h; dom., às 18h. Até dom. (20).

Quanto: R$ 80 a R$ 120