Avatar 2: James Cameron admite inspiração em O Senhor dos Anéis, mas diz não ter tido a mesma sorte que Os Anéis de Poder

James Cameron já deixou bem claro que tem planos grandiosos para Avatar. Até o momento, estão previstos cinco filmes, com o último sendo lançado só em 2028. Ainda que não esteja nem na metade, a franquia é um sucesso estratosférico: o primeiro longa detém o posto de maior bilheteria da história, enquanto o segundo está atualmente em sétimo lugar. Foram 13 anos de um para outro, o que mostra que o diretor trabalhou bastante para consolidar seu universo – tanto técnico quanto ficcional.

E uma de suas inspirações foi O Senhor dos Anéis, obra de J.R.R. Tolkien que deu origem à trilogia de Peter Jackson. Em entrevista à Variety durante a divulgação de Avatar: O Caminho da Água, o próprio Cameron revelou que seu intuito era criar algo em escala semelhante à saga da Terra-média, ou então a Star Wars, de George Lucas.

"É perigoso contar uma história com muitos personagens porque pode faltar foco. Mas eu apenas aceitei esse desafio", disse o cineasta. "Existe uma paisagem épica com uma narrativa épica. Eu estava tentando emular um universo de Star Wars ou O Senhor dos Anéis. Um mundo persistente ao qual as pessoas podem voltar e desfrutar com o tempo."

Cameron também citou Os Anéis de Poder, série do Amazon Prime Video ambientada na Segunda Era da Terra-média, milhares de anos antes dos acontecimentos vividos pelo hobbit Frodo Bolseiro (Elijah Wood). Ao contrário de sua experiência com Pandora, os showrunners J.D. Payne e Patrick McKay puderam se basear em um vasto material literário deixado por Tolkien.

"Se você olhar para algo como Os Anéis de Poder, com tantas histórias e personagens interessantes, é isso que eu desejava. Mas eles tinham um guia. Eu não", observou Cameron.

"Tive que escrever meu próprio Silmarillion ou O Senhor dos Anéis na forma de notas. Mas também não queria fazer tudo sozinho. Eu sabia que faria vários filmes, então criei uma pequena sala de roteiristas como você faria para um programa de TV", acrescentou.

Mas seus colaboradores primeiro tiveram que passar por um treinamento. Em outra entrevista à Variety, o casal de roteiristas Rick Jaffa e Amanda Silver usou o termo "boot camp" para descrever o processo com Cameron. Quando o diretor os trouxe a bordo para as sequências de Avatar, eles tiveram que estudar o próprio "Silmarillion de Cameron" desde a escola até "conseguiram um mestrado em tudo relacionado a Pandora", disse Jaffa.

Eles foram informados sobre todos os detalhes, não apenas sobre a vida nessa lua habitável, mas também sobre as conquistas tecnológicas da humanidade – como o funcionamento de todos os diferentes veículos e naves espaciais.

E isso não é tudo: Cameron deu a eles quatro arquivos contendo cerca de 800 páginas com todas as suas ideias para as sequências de Avatar. Ao lado dos colegas Josh Friedman e Shane Salerno, bem como Cameron, Jaffa e Silver trabalharam nelas por seis meses para conceber a história final em mais três partes, totalizando quatro.

Quando tudo estava pronto, foi decidido quem escreveria os roteiros finais. Jaffa e Silver ficaram com Avatar 2. Porém, a obra não parava de crescer, de modo que foi necessário dividi-la em dois filmes – um a mais para a franquia. É por isso, inclusive, que Avatar 2 e Avatar 3 estarão particularmente ligados.

Eles foram filmados juntos em todo caso – assim como partes de Avatar 4. Aqui também está outro aprendizado vindo de O Senhor dos Anéis. Afinal, Peter Jackson filmou sua trilogia de uma só vez.

Leia o artigo em AdoroCinema

James Cameron acha que Avatar 2 é mais feminista que Mulher-Maravilha e Capitã Marvel

Avatar: James Cameron gravou filmes em sequência para não ter o mesmo problema que Stranger Things

"Foi parecido": James Cameron compara Avatar com a química de Leonardo DiCaprio e Kate Winslet em Titanic

“Teriam que me pagar muito para trabalhar com ele de novo”: Kate Winslet ganhou apelido do diretor de Avatar no passado