Planalto avalia que vídeo foi mais benéfico que prejudicial a Bolsonaro

Debora Álvares
Planalto começou monitoramento nas redes sociais assim que vídeo foi divulgado, no fim da tarde desta sexta-feira (22).

Os ânimos no Palácio do Planalto foram da tensão máxima, experimentada desde as últimas semanas, ao alívio no início da noite desta sexta-feira (22), quando se começou a ter dimensão da repercussão do vídeo da reunião interministerial do dia 22 de abril. A divulgação do encontro tão falado desde a demissão do ex-ministro Sergio Moro, que acusou o presidente JairBolsonaro de na ocasião pressionar por interferência na Polícia Federal, foi, aos olhos do governo, “menos bombástica” do que se previa, conforme relatos de integrantes do governo ao HuffPost. 

Para o presidente, uma análise muito importante a ser feita é da repercussão nas redes sociais e da reação de seus apoiadores na internet e grupos de WhatsApp, ferramentas fundamentais para sua eleição. Desde o fim da tarde de sexta, quando o ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello autorizou a divulgação do vídeo, a equipe responsável pelas redes no Planalto realiza monitoramentos. A conclusão, até o fim da noite, segundo fontes palacianas afirmaram ao HuffPost, é que a publicidade do encontro foi “extremamente positiva” a Bolsonaro na relação com seu núcleo político. 

Houve, claro, reações contrárias e críticas às falas do mandatário e de ministros na ocasião, como aos da Educação, Abraham Weintraub, Meio Ambiente, Ricardo Salles, e das Mulheres, da Família e dos Direitos Humanas, Damares Alves. 

No fim das contas, o resultado foi mais positivo que negativo na visão do governo. Muito mais elogios à participação de todos vindos da rede bolsonarista do que crítcas. Surgiu até mesmo um movimento segundo o qual o vídeo é tão benéfico ao presidente que o reelege em 2022. 

Essa foi a opinião até mesmo de uma ex-aliada, a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP), que há pouco tempo teceu duras críticas ao mandatário e chegou a sugerir que ele se afastasse do cargo. 

Continue a ler no HuffPost