Autor canadense processa editora por incluir trechos petistas em seu livro

MAURÍCIO MEIRELES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Você é um autor conservador. Foi policial. Gosta de ordem. Acredita na tradição. Então, arruma uma editora para publicar seus livros, mas, quando recebe as provas para revisar, não reconhece sua obra ali.

Seus personagens, conservadores como você, ganharam vida própria. De repente amam o PT. Acham que Dilma foi derrubada por uma invenção chamada "pelada [sic] fiscal", tramoia da mídia golpista. Michel Temer, falam, é um usurpador.

Não estranhe, esta parece uma notícia falsa, uma fabulação de algum ideólogo de direita, para quem há esquerdistas em cada instituição cultural prontos para inocular sua mensagem na corrente sanguínea da sociedade - mas aconteceu mesmo.

O autor é o canadense Grant Patterson. Casado com uma brasileira, ele escolheu dois livros seus para serem traduzidos para o português --"Southern Cross" e "Back in Slowly", que se passam no país.

Agora, o escritor move um processo contra a Fonte Editorial, casa de obras de teologia com um braço de autopublicação, contratada por ele para o serviço, por alterar sua obra.

Diferentemente do que eram no original, os dois romances voltaram para a mesa de Patterson cheios de mensagens políticas fervendo de indignação. O tradutor se chama Daniel Costa, que tem como maior parte de seu trabalho um histórico de obras teológicas.

Em "Back in Slowly", um dos personagens, o senador Buscetti, do PMDB, tenta "derrubar Dilma por corrupção", diz o narrador. Já a versão em português é diferente -Buscetti e seus colegas "estavam tentando derrubar Dilma Rouseff do poder por uma invenção da mídia golpista brasileira".

Enquanto o vilão e seus colegas são aplaudidos pela metade do país formada por "manifestoches", a outra metade "denunciava este grande crime que destruiu a democracia inclusiva e participativa brasileira, que estava sendo construída no governo do Partido dos Trabalhadores, e a ordenação jurídica e institucional do país, após o Judiciário brasileiro assumir e encabeçar parte na trama golpista".

Pausa para respirar. Também não faz sentido na narrativa. Se Buscetti ainda tramava seu cipoal de maldades e, na história, o impeachment ainda não aconteceu, como o narrador pode dizer que ele destruiu o país?

Mais à frente, as alterações tentam ser otimistas. Em inglês, "não parece" que o PT vá sobreviver à Lava Jato. Já na tradução, a legenda voltou a ser "o maior partido popular da América Latina, e quiçá do mundo".

As pessoas "entenderam a farsa do impeachment/golpe e qual era a real função da Lava Jato". E a real intenção de Sergio Moro não era combater a corrupção, mas blindar "seus principais agentes: políticos, famílias donas da mídia, do Judiciário, das Forças Armadas antidemocráticas e do empresariado nacionais".

Todos os conspiradores, diz a versão em português, são traidores do país, dispostos a seguir a "cartilha" dos Estados Unidos, "principalmente agora com a descoberta do pré-sal". Tudo um golpe armado "com pleno apoio da CIA".

Em "Southern Cross" o padrão se repete - elogios ao PT, que teria sofrido um golpe por suas qualidades, e críticas aos tucanos. Uma figura do livro é chamado de "filho da puta liberal, capitalista e individualista". "Ainda bem que você atirou nele, Will", diz um personagem.

"No primeiro pacote, estavam faltando umas 70 páginas. Não sabíamos que era um problema real até voltar para o Canadá, em julho de 2018. Estávamos em uma viagem de carro quando minha mulher percebeu", diz Patterson.

"Não escrevi um livro político. Mas, como meus personagens são policiais, eles são naturalmente conservadores. A cada chance que ele teve, ele mudou para algo crítico dos EUA e favorável ao PT."

Patterson, que fez carreira na polícia de controle de fronteiras do Canadá, também se define como conservador --mas não quis que isso pesasse em sua escrita. Ele até acha seus livros mais de esquerda do que ele costuma ser.

Agora, ele processa a Fonte Editorial para ter seu dinheiro de volta e uma indenização por danos morais.

Eduardo de Proença, editor da Fonte, diz que as mudanças foram feitas pelo tradutor. "O tradutor foi dispensado, era um tempo de muito conflito, as pessoas estavam à flor da pele. Não era nada que não pudesse ser contornado", diz.

Já Daniel Costa, o tradutor, diz que os livros são "bem legais, bem emocionantes", mas defende a própria atitude.

Acha que Patterson deveria ser "mais isento", que o autor tem uma "visão alienada" e que ele analisa tudo "a partir do seu umbigo", porque nasceu "num país individualista". A visão do canadense, segundo Costa, é a que faz "as pessoas votarem numa bactéria como essa que está no poder".

"Vamos supor que você vai escrever um artigo sobre tratamento dentário. Você é dentista? Não. Aí você pede para o seu amigo dentista fazer uma revisão. Você vai agradecer ou vai reclamar?", diz.

"Ele deveria me agradecer. Dizer 'muito obrigado pelas dicas, eu não sabia disso'. Acho que um intelectual é assim que age, já que ele está falando de conjuntura política em livros de ficção."

Como morou um ano no Brasil e ainda tem casa aqui, Patterson menciona o noticiário brasileiro --tanto o impeachment quanto a violência urbana. Também cita partidos nacionais.

Os personagens, inclusive, chegam a procurar um repórter fictício da Folha de S.Paulo, chamado Sergio Yamada, que teria informações sobre um de seus rivais. O grupo se encontra em uma galeteria, porque, segundo um deles, jornalistas "gostam de ter almocos pagos". Mais à frente, em outra passagem, chamam os repórteres do jornal de esquerdistas.