Austríaco bate recorde mundial dentro de cabine cheia de gelo

Agência
Reprodução de vídeo da EFE / YouTube

O austríaco Josef Köberl, de 42 anos, bateu um recorde mundial neste sábado, 10, em Viena, após ficar em pé dentro de uma cabine cheia de cubos de gelo por duas horas, oito minutos e 47 segundos (veja vídeo abaixo). O recordista anterior era o chinês Jin Songhao, que suportou uma hora, 53 minutos e dez segundos.

"Quanto ao tempo, tudo foi muito bem e, no final, foi ficando melhor. Mas nesses casos, você tem de encontrar o melhor momento para terminar. Porque senão as coisas ficam piores mais rápido do que o esperado", disse Köberl.

As altas temperaturas em Viena, com mais de 30 graus, foram um problema a mais para o homem, que ficou com a cabeça exposta a uma temperatura maior do que o restante do corpo. Porém, a maior dificuldade que enfrentou foi em relação às mãos.

"Na segunda vez que encheram [a cabine] com mais gelo, cobriram as mãos e isso doeu um pouco e agora continuam dormente", disse o 'homem de gelo', como é chamado, após completar a prova. Para controlar o estado de saúde do austríaco, um médico media a temperatura corporal dele a cada 25 minutos durante a primeira hora e depois a cada cinco ou dez minutos dali em diante.

VEJA TAMBÉM: Os recordes mais bizarros do mundo

Os recordes mais bizarros do mundo Conheça recordes que você jamais imaginaria que existem MM_AG_PT_ASSET_GROUP_34091 Mulher com as maiores pernas

Se você já achava que as pernas da apresentadora Ana Hickmann eram um exagero, ficará surpreso ao conhecer a modelo russa Ekaterina Lisina, dona das maiores pernas do mundo atualmente: são 132,8 centímetros na perna esquerda, e 132,2 na direita!
 

Instagram / @ekaterina_lisina15 MM_AG_PT_ASSET_796034 Mais trocas de figurinos durante o mesmo truque de mágica

A dupla formada por Avery Chin e Sylvia Lim, conhecida por fazer truques de mágica na Malásia, conseguiu a façanha de trocar de figurino de Sylvia 24 vezes em apenas um minuto

 

Facebook / @GuinnessWorldRecords MM_AG_PT_ASSET_796025

Köberl deveria manter uma temperatura corporal sempre acima de 32 graus. Depois da primeira hora, ele registrou uma mínima de 34,3 graus, mas posteriormente conseguiu chegar a 35 graus. "É um método muito bem investigado por Vim Hof, se alguém se concentra e continua respirando, então o corpo consegue se recuperar", explicou ele.

Para supervisionar e atestar o feito, o austríaco esteve acompanhado de um advogado e de uma testemunha oficial. Todas as ações foram gravadas por vários ângulos para certificar, em cada momento, a validade do recorde.

Com o título conquistado, Köberl já pensa no próximo desafio: em março do ano que vem, ele quer bater o recorde mundial de nadar mais de 1,6 mil metros em água congelada, com temperatura de um grau abaixo de zero.