Atriz de 'Malhação' festeja presença da periferia na TV e relembra racismo em aula de balé: 'Bunda de negra'

Gabz de ‘Malhação’ (Foto: Brazil News)

Gabrielly, ou mais conhecida como a rapper Gabz, estará na próxima temporada de “Malhação – Toda Forma de Amar”, que estreia no dia 16 de abril. No papel de Jaqueline, uma jovem lutadora de muay thai, a atriz festeja mais um papel na televisão – ela já esteve em ‘Cobras e Lagartos’ e ‘Viver a Vida’ quando criança – e destaca a importância de ser uma mulher negra em uma novela.

Conciliando as gravações na Globo com a música, ela ainda ganhará destaque neste ano no Rock in Rio, onde levará seu rap para o palco ‘Favela’, no dia 27 de setembro.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Em conversa com o Yahoo, Gabz conta que se inspirou na história de sua família para viver os dramas da personagem – uma menina em busca da identidade de seu pai. A atriz destaca a importância de dar vida para uma menina da periferia e de mostrar a realidade desses jovens numa novela.

Leia Mais: Débora Nascimento ameaça cancelar festa de 1 ano da filha após informações vazarem

“A Jaqueline está se entendendo como uma menina negra, da baixada carioca, e procurando um pai ausente. Isso sempre mexeu comigo porque tanto minha mãe quanto o meu pai passaram por isso. Por isso conversei muito com eles para entender como é a falta de um pai na vida de alguém. Fora isso acho incrível a representação da baixada na novela. Estudei lá em São João de Meriti e em Duque de Caxias. Tenho muitos amigos de lá”, revela.

‘Sempre busquei negras na TV’

Em seu primeiro papel já adulta na televisão, Gabz conta que quer incentivar outras meninas negras a buscarem seu sonho e lembra que quando era mais nova não encontrava muitas referências negras em novelas.

“Representatividade é importante para gente sentir que existe. Sempre busquei negras na TV. Falava para a minha mãe que ninguém tinha o cabelo igual o meu nas novelas. Tive que recorrer a séries americanas que traziam mais negros. Agora estou nesse lugar e quero mostrar para outras mulheres negras que elas também podem”, ressalta.

Preconceito

E, por falar em representatividade de uma mulher negra, Gabz destaca seu combate ao racismo e relembra uma história pontual de preconceito que a marcou muito: “Eu fiz balé no Theatro Municipal, no Rio, e tive uma professora que falava que eu estava criando bunda de negra. Um exemplo péssimo de história, que me marcou.”

Leia mais: Pedro Alves, gay em ‘Malhação’, já ficou com meninos e meninas

Gabz completa: “Dentro da nossa sociedade todas as pessoas negras já sofreram racismo. É algo estrutural e diário. Você nasce sabendo que é negro e que será tratado de maneira diferente. Muito pesado. Precisamos mudar a nossa cultura e discutir esse assunto de forma responsável.”

Rock in Rio

Levando o assunto para um tema mais leve e mostrando todo seu sorriso no rosto, Gabz antecipa um pouco do que mostrará no Rock in Rio, e reforça a questão da representatividade: “Vou levar toda a galera de passinho da favela da Maré, quero toda a periferia no palco. Isso é lindo demais.”