Ator Morgan Freeman nega que tenha agredido mulheres

AP

SÃO PAULO (Reuters) – O ator Morgan Freeman disse na sexta-feira que qualquer sugestão de que agrediu mulheres ou criou um local de trabalho inseguro é falsa e pediu desculpas a qualquer um que ele possa ter magoado depois que a mídia informou que mulheres o acusaram de comportamento inadequado ou assédio.

As acusações contra o ator vencedor do Oscar são as mais recentes em uma enxurrada contra atores, cineastas e agentes do sexo masculino, que rondam Hollywood desde outubro de 2017, levando, em alguns casos, a demissões e à suspensão de projetos.

Na sexta-feira, o magnata do cinema Harvey Weinstein foi acusado de estupro e outros crimes sexuais.

Acusações semelhantes também envolveram homens na política e no setor empresarial dos EUA e inspiraram um movimento #MeToo nas redes sociais por parte de vítimas que compartilharam suas histórias de assédio ou abuso sexual.

A CNN informou na quinta-feira que falou com 16 pessoas como parte de sua investigação sobre o ator de 80 anos, e algumas também alegaram comportamento inadequado de Freeman em sua produtora, a Revelations Entertainment.

“Estou arrasado porque os 80 anos da minha vida correm o risco de serem minados, em um piscar de olhos, pelas reportagens de quinta-feira”, disse Freeman em um comunicado na sexta-feira, um dia após ter se desculpado inicialmente.

“Mas também quero ser claro: não criei ambientes de trabalho inseguros. Não agredi mulheres. Não ofereci emprego ou promoções em troca de sexo. Qualquer sugestão de que fiz isso é completamente falsa”, acrescentou.

A CNN disse que oito pessoas disseram à rede terem sido vítimas do que alguns chamam de assédio e outros chamam de comportamento inadequado por Freeman. A rede disse que outras oito disseram que testemunharam a suposta má conduta do ator.

(Brendan O’Brien)