Ativistas que atacaram “Moça com Brinco de Pérola” são sentenciados à prisão

AMSTERDÃ (Reuters) - Dois ativistas climáticos belgas que atacaram na semana passada atacaram a famosa pintura de Johannes Vermeer “Moça com Brinco de Pérola” foram sentenciados a dois meses de prisão por um tribunal holandês, com um desses meses suspenso.

Para destacar como ver obras de arte destruídas evoca um sentimento parecido a ver o planeta destruído, um ativista colou a própria cabeça ao vidro cobrindo a famosa pintura em um museu em Haia, embora a obra de arte não tenha sido danificada, disseram funcionários da galeria.

“Uma obra de arte pendurada ali para todos, para todos nós, foi manchada por réus que sentiram que sua mensagem tinha precedência a qualquer outra coisa”, disse o promotor.

O promotor público pediu quatro meses, com dois suspensos, mas a juíza disse que não queria que sua sentença desencorajasse outras pessoas a fazerem manifestações.

Os dois homens passaram por um julgamento acelerado, sob acusações de destruição e violência aberta contra o quadro. Um terceiro ativista, que não concordou com o julgamento ser acelerado, comparecerá ao tribunal na sexta-feira.

Todos fazem parte do grupo climático Just Stop Oil da Bélgica, que não é afiliado ao Just Top Oil do Reino Unido. O Just Top Oil belga disse que o veredito foi “irônico”.

(Reportagem de Charlotte Van Campenhout)