Atividades físicas na infância e adolescência tornam jovens mais inteligentes

·4 minuto de leitura
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Por Cristiane Bomfim, da Agência Einstein

Na série LOVE, da Netflix, a desregrada viciada em amor e sexo Mickey Dobbs (Gillian Jacobs) termina o namoro com um fortão (mimado e dependente da mãe) e se apaixona por Gus Cruikshank (Paul Rust), um perfeito estereótipo de nerd na aparência e no comportamento: um magrelo responsável que usa óculos, avesso a atividades físicas e com vida previsível e um tanto sem graça. É quase sempre assim no cinema: a inteligência que falta nos atletas dos colégios sobra nos garotos que dedicam todo o tempo aos livros e detestam qualquer atividade que faça o corpo suar.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Mas, se os roteiristas de filmes e séries adolescentes se interessassem um pouquinho por neurociência, as histórias de amor blockbuster seriam diferentes. Isso porque “a prática frequente de atividade física na infância e adolescência faz bem para o cérebro e comprovadamente é capaz de melhorar a aprendizagem, a compreensão da leitura, a memória e o desempenho escolar”, explica o neurocientista Sérgio Gomes da Silva. Sendo assim, o fortão seria não apenas o mais popular das quadras esportivas, mas estaria também entre os alunos com as melhores notas da escola.

Leia também

A prática de exercícios na infância e adolescência contribui para o aumento da produção de novos neurônios no córtex e no hipocampo, áreas do cérebro responsáveis por funções como memória, processamento de informações e linguagem e emoções. E mais: exercícios físicos nestes períodos da vida aumentam a expressão cortical de uma proteína ligada à proliferação e sobrevida celular, conhecida pela sigla mTOR. Isso tudo está mostrado no estudo científico realizado por Sérgio Gomes da Silva e publicado na revista Neuroscience (ScienceDirect).

A pesquisa feita com 24 ratos mostrou que os animais que praticaram exercícios aeróbicos em uma esteira tiveram aumento significativo no número de células neuronais e não neuronais (responsáveis pela formação dos vasos sanguíneos, da barreira hematoencefálica e da bainha de mielina). Foi observado um aumento total de 10 milhões de células corticais e hipocampais nos ratos exercitados em relação aos ratos controles, aqueles que permaneceram em uma esteira parada durante o mesmo período de investigação. “Essas descobertas reforçam a hipótese de que o exercício pode aumentar o número de células cerebrais”, explica o neurocientista.

Em um estudo anterior, testes também feitos em ratos adolescentes mostram que eles apresentam maior expressão cerebral de fatores neurotróficos (BDNF), proteína que, entre outras coisas, regula os processos de proliferação das células cerebrais. O resultado do aumento central de BDNF é o melhor desempenho cognitivo em tarefas de memória espacial. Esta pesquisa do cientista do foi publicada em 2012, quando ele atuava no Hospital Israelita Albert Einstein, na revista Hippocampus, mostrando que a capacidade de resolver problemas era maior em ratos fisicamente ativos no período adolescente do que naqueles que focaram sem se exercitar. No teste comportamental, os ratos ativos conseguiram, por exemplo, localizar com mais rapidez uma plataforma de escape em um labirinto aquático. Os ratos sedentários demoravam mais tempo para cumprir essa tarefa e escapar do labirinto. Para humanos a lógica tem sido a mesma, explica Sérgio Gomes da Silva.

A premissa é válida para humanos. Mais neurônios e mais conexões podem significar memória e concentração melhores, maior capacidade de aprendizagem e interpretação da leitura e eficiência superior no processamento de informações desde que o cérebro seja exercitado. Porém, o neurocientista alerta: “Não adianta ter mais neurônios se o cérebro não trabalhar, ou seja, não estudar. Por isso que os estudos científicos são feitos adolescentes que gostam de estudar. Quando avaliamos um menino ativo e o outro sedentário, observamos que o ativo que estuda vai muito melhor na escola do que o sedentário estudioso”. Em paralelo a essas evidências, estudos recentes também têm mostrado alterações significativas no cérebro de quem pratica atividades físicas e exercita o cérebro, como, por exemplo, aumento em áreas cerebrais relacionadas à memória e aprendizagem.

Atividade física e o desenvolvimento do cérebro na infância e adolescência

(fonte: Agência Einstein)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos