'Asterix e o Segredo da Poção Mágica' traz o gaulês com visual 3D

THALES DE MENEZES

FOLHAPRESS - Tesouro nacional da França, Asterix continua a ser um produto poderoso no cinema. Mesmo com a morte do escritor René Goscinny, em 1977, e a aposentadoria do desenhista e também roteirista Alkert Uderzo, 92, criadores da HQ, é difícil resistir a mais uma animação.

"Asterix e o Segredo da Poção Mágica" é o décimo desenho que leva às telas a dupla de heróis Asterix e Obelix. Além dessa produção de animações, quatro filmes foram realizados com atores, nos quais o gordo e fortão Obelix é interpretado por Gerard Depardieu.

O novo desenho tem seu charme e a história original é muito mais inteligente do que as produções infantojuvenis costumam comportar. O que é natural, já que Asterix é, literalmente, atraente para todas as idades. Mas o filme também acentua um problema que começou a aparecer nas animações mais recentes.

Os sete primeiros desenhos, de "Asterix, o Gaulês", de 1967, a "Asterix Conquista a América", de 1994, reproduzem com muita fidelidade os traços de Uderzo que celebrizaram os personagens. Mas o avanço tecnológico da animação nos últimos 20 anos parece ter obrigado a uma modernização visual que tende a desagradar os fãs mais antigos.

Agora os personagens são fofinhos, meio arredondados, e seguem uma tentativa de fazer uma imagem 2D que pareça um pouco com os resultados de 3D. Neste novo filme, isso é acentuado por uma iluminação nas imagens que cria um cenário às vezes brilhante demais, como se todos os quadros precisassem ser lindos, idílicos, bucólicos.

Nos quadrinhos, a saga de Asterix e sua aldeia de gauleses irredutíveis que resistem à invasão romana na França sempre foi conduzida por roteiros afiados. O ritmo da história, com um quadrinho que às vezes traz uma mudança abrupta da ação em relação ao anterior, fez escola na HQ.

Nos desenhos animados, mesmo os mais antigos, esse ritmo nunca conseguiu ser reproduzido na tela. Agora, com o visual fofo, tudo fica mais plácido, às vezes devagar demais.

Na história, o druida Panoramix sente que está prestes a se aposentar. Responsável pela preparação da poção mágica que dá superforça aos habitantes da aldeia para enfrentar as legiões romanas, ele precisa encontrar um jovem aprendiz que seja merecedor de conhecer o segredo da poção e possa assumir sua tarefa.

Ele irá vagar pela Gália em busca desse sucessor, sendo escoltado por Arterix, Obelix e o cãozinho Ideiafix. E essa escolta será muito necessária, porque Panoramix está sob ameaça de um poderoso druida do mal, Demonix, que pretende roubar o segredo da poção.

Para fãs veteranos, o filme pode entreter, mas causar também alguma rejeição ao novo visual. Para novos seguidores de Asterix, é uma baita diversão.

ASTERIX E O SEGREDO DA POÇÃO MÁGICA

Quando: estreia na quinta (19)

Produção: França, 2018

Direção: Alexandre Astier e Louis Clichy

Avaliação: bom