Artistas, intelectuais e jornalistas lamentam morte de Contardo Calligaris

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A morte do psicanalista italiano Contardo Calligaris, ocorrida nesta terça, em São Paulo, gerou uma série de comentários em sua homenagem, sobretudo nas redes sociais. Calligaris, que também era escritor e dramaturgo, morreu aos 72 anos. Ele estava hospitalizado e fazia tratamento contra um câncer. O ator, dramaturgo e diretor Otávio Martins publicou uma foto no Instagram em que aparece ao lado de Calligaris, da atriz Claudia Ohana e do ator Emilio de Mello. Os artistas trabalharam juntos na série “Psi”, que estreou na HBO em março de 2014. "Psicanalista e escritor, Contardo era o autor de 'Psi', série da HBO que eu tive a honra de fazer, na primeira temporada, ao lado dos amigos Emilio de Mello e Claudia Ohana", escreveu Martins, na legenda da foto. "Um grande cara, uma grande mente. Que tristeza." "Sua inteligência e clareza, os papos na vida e no teatro, as colunas, os livros. Obrigado, Contardo. Descanse em paz", escreveu o ator Dan Stulbach. Vera Magalhães, jornalista e apresentadora do Roda Viva, da TV Cultura, lamentou a morte do escritor e se definiu como uma "leitora voraz" de seus textos. "Coragem, desassombro e sabedoria numa frase final. Essas qualidades do Contardo Calligaris sempre permearam seus escritos, dos quais eu era leitora voraz e grata", disse Magalhães. Petra Costa, a diretora de "Democracia e Vertigem", documentário brasileiro que concorreu ao Oscar no ano passado, homenageou Calligaris no Twitter. "Imagine nossa vida como uma breve passagem por um circuito de montanhas-russas. Quem atravessasse a experiência anestesiado, sem gritos, pavor e risos teria jogado fora o dinheiro do bilhete", afirmou a cineasta. "Contardo era um poço de conhecimento, um humanista convicto e profundamente generoso. Tive a oportunidade de entrevistá-lo diversas vezes para o programa Dilemas Éticos da CIP. Deixa muitas saudades", afirmou Michel Schlesinger, representante da Confederação Israelita do Brasil, em depoimento à reportagem. "Até o último minuto, como conta o filho, ele foi genial. Que tristeza", lamentou a jornalista Daniela Lima. "Em 2007, cheguei em São Paulo pata recomeçar a vida, sem emprego, coração destroçado, mas decidida a viver. Contardo Calligaris me tratou por dois anos decisivos na minha vida. Não há agradecimento possível, só admiração e saudade eternas", contou a professora de ética e escritora de "Direito e Saúde Global: o Caso da Pandemia de Gripe A (H1N1)". A diretora e atriz Mika Lins publicou no Twitter fotos do psicanalista quando jovem. "Primeira live que fiz, lá no começo da pandemia. Inteligente, generoso e engraçado. O Brasil perde uma pessoa muito boa. Minha solidariedade aos familiares e amigos", disse o jornalista Leandro Demori, do The Intercept Brasil.