Arnaldo Antunes celebra 60 anos com documentário especial no Globoplay

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 04.02.2020 - Poeta, compositor, músico e artista Arnaldo Antunes, durante inauguração da exposição Portal, em São Paulo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 04.02.2020 - Poeta, compositor, músico e artista Arnaldo Antunes, durante inauguração da exposição Portal, em São Paulo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O cantor e compositor Arnaldo Antunes, que acaba de celebrar 60 anos de vida (2 de setembro), recebe como presente um documentário sobre sua vida e obra, no Globoplay. A plataforma disponibiliza o material a partir desta quinta-feira (5).

O projeto, denominado "Arnaldo, Sessenta", passeia pela obra, música, poesia, artes visuais e pelos múltiplos talentos de Arnaldo Antunes. O fio condutor é uma longa entrevista do cantor ao jornalista Pedro Bial. Ainda há 11 apresentações musicais, dois novos poemas, "Saga" e "Um Deus", e imagens de arquivo, muitas delas inéditas.

"Arnaldo, Sessenta" é um passeio por momentos marcantes da memória do artista. "Recheado de um rico material de arquivo e músicas de todas as fases do músico, o documentário mostra a riqueza e diversidade da obra de Arnaldo. Do rock instigante de 'Comida' à delicada 'Contato Imediato', vemos um músico plural e vital. Entro no projeto fã do artista, saio muito fã da pessoa Arnaldo Antunes", define o diretor Gian Belloti.

Durante o documentário, Antunes lembra momentos marcantes da sua trajetória, reflete sobre as múltiplas facetas de sua personalidade artística e fala sobre a chegada aos 60 anos em 2020. "Ideologicamente, eu fico reativo a essa comemoração. Todo dia é um novo aniversário, a gente está renascendo a todo instante. Mas, por estarmos na pandemia, eu fiquei mais tocado com isso. É a entrada na terceira idade, uma data redonda, vêm muitos flashbacks da vida", comenta Arnaldo.

De acordo com ele, sua personalidade permanece em constante inquietude. "Tem que manter a inquietude. Não me agrada acreditar que a idade vai deixar você mais apaziguado. Eu continuo achando a estranheza fundamental", complementa.

As canções escolhidas por Arnaldo para o projeto contemplam diferentes fases de sua obra. São elas: "Comida", "O que", "O Real Resiste", "João", "De Outra Galáxia", "Alegria", "Socorro", "Alta Noite", "Contato Imediato", "Passe em Casa" e "Vilarejo".