Arctic Monkeys faz show no Primavera Sound com hits antigos e árvore no caminho

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ao som de "Sculptures of Anything Goes", os Arctic Monkeys iniciaram a principal apresentação do Primavera Sound deste sábado (5), no palco Becks, às 22h05, e fizeram um show que leva a assinatura dos eventos da banda --cativantes, bem executados e com quase nenhuma interação com o público.

Sem dúvidas, a banda foi escalada para o palco errado. Com dezenas de árvores ao redor, a plateia da headliner foi prejudicada, tendo que se espremer para, em muitos casos, enxergar só pequenos detalhes dos telões.

Os troncos roubaram a cena. Frustrados com a estrutura, alguns fãs subiram em árvores, que eram altas e, consequentemente, perigosas a quem se arriscou.

Apesar do local amador, o público se mostrou empolgado do início ao fim. A setlist foi dominada por hits antigos, sendo a fase roqueira do grupo a grande protagonista.

Logo no início, os ingleses engataram em "Brainstorm", "Sanp Out of It", "Crying Lightning" e "Don't Sit Down 'Cause I've Moved Your Chair", agitando os nostálgicos.

Guiada por Matt Helders, a bateria acelerada de canções antigas botou a multidão para pular em conjunto. Tiveram ainda músicas mais lentos como "Cornerstone" e "Sculptures of Anything Goes".

Também ganharam espaço fases recentes, como "Tranquility Base Hotel + Casino", de 2018, e "Sculptures of Anything Goes", "Body Paint", l Ain't Quite Where I Think I Am" e "There'd Better Be a Mirrorball" --estas do sétimo álbum da banda, "The Car", lançado no mês passado.

Seja por ouvidos não atraídos, seja por lábios que ainda não decoraram as letras de "The Car", os fãs não mostraram empolgação nas faixas do lançamento.

As catarses rolaram mesmo durante os sucessos "Do I Wanna Know", "505", "Do Me a Favor" e "| Bet You Look Good on the Dancefloor".

Com uma estética retrô tal qual a nova era dos Monkeys, o telão contou com imagens levemente granuladas, como se tivessem saído de uma máquina fotográfica antiga.

O vocalista e frontman da banda, Alex Turner, fez jus à sua fase de homem sexy, na qual surfa desde 2013, ano do famoso "AM". Com pose de bad boy elegante, o músico vestiu uma roupa social e, em boa parte do show, ficou de óculos escuros.

A apresentação dos Monkeys terminou ao som da clássica "R U Mine". Como de costume, os músicos não fizeram bis e não se estenderam nos agradecimentos.