Após polêmica sobre procura por vacina da Pfizer, Fernanda Torres, irreconhecível, toma primeira dose da Astrazeneca

·2 minuto de leitura
Fernanda Torres compartilha momento em que recebe a primeira dose da vacina contra covid-19

Fernanda Torres, 55, que teve covid-19 em dezembro do ano passado, compartilhou em suas redes sociais na tarde desta segunda-feira, 14, um post onde foi imunizada contra o vírus. Usando chapéu e máscara, a atriz estava irreconhecível. Em sua postagem, a filha da atriz Fernanda Montenegro, fez questão de esclarecer os motivos pelo qual estaria em busca do imunizante da Pfizer, já que recentemente ela havia recusado a vacina da Astrazeneca.

Fernanda começou o post dizendo: “Eu tive COVID em dezembro, uma doença insidiosa, que começa quando o quadro viral termina. 14 dias depois da infecção, tive uma alta súbita do D-Dímero, tomei anticoagulante, o marcador baixou, mas até hoje não retornou ao nível normal. Tenho casos de trombose na família e mesmo sabendo do risco ínfimo, mais do que ínfimo, da vacina da Astrazeneca, procurei pela Pfizer nos postos, cuja chegada ao Brasil havia sido anunciada nos jornais dois dias antes da minha data de vacinação”, explicou ela que exibiu o frasco que continha o nome da vacina.

Leia mais

“Fui como qualquer cidadão, não tive informação privilegiada e não pedi que alguém checasse no meu lugar porque achei que aquele era um ato que cabia a mim. Também não furei fila ou forjei atestados. O fato tornou-se público e contribuiu para alimentar o negaciosismo, criando uma desconfiança infundada em torno da Astrazeneca, uma vacina extremamente eficaz e segura. Minha mãe tomou a segunda dose da Astrazeneca há um mês, meu irmão tomou Astrazeneca, bem como o meu enteado transplantado. Hoje, em respeito à Fio Cruz, com toda a segurança, tomei a primeira dose da vacina Astrazeneca”, disse.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

“Esperei muito por essa hora e estou feliz e aliviada de ela ter chegado. Continuarei usando máscara e mantenho o distanciamento social, até que o Brasil alcance uma taxa de vacinação compatível com o retorno a uma vida próxima do normal. Por último, gostaria de ressaltar o excelente trabalho que vem sendo feito pela secretaria de saúde da cidade do Rio de Janeiro, no sentido tanto de adiantar o calendário, quanto de distribuir as vacinas disponíveis de maneira justa, por todas as regiões da cidade, sem preferência de cor, credo ou classe social. Sei, na pele, que mesmo na forma branda a COVID é uma doença misteriosa, ainda desconhecida, que deixa sequelas. A melhor escolha é a vacinação”, pontuou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos