Após perder a esposa durante o parto de gêmeos, homem conta como conseguiu superar a tragédia

Reprodução/Arquivo pessoal/UOL

Essa é uma daquelas histórias que provam que ter força é fundamental para encarar certo problemas da vida. O administrador Gledson Fonseca, de 43 anos, perdeu sua mulher, Keila, de 34, durante o nascimento dos gêmeos Samuel e Maria Luiza.

Leia mais: Vítima do câncer, noiva morre 18h após seu casamento

As complicações durante o parto causaram o falecimento da jovem e deixou sequelas nos bebês, que nasceram com paralisia cerebral. “Fiquei sem chão”, contou Gledson ao UOL.

Em relato emocionante, ele revela como conseguiu superar a tragédia, que foi seguida da perda de um dos bebês logo que conheceu sua nova mulher, Sueli. Segundo ele, a gestação da ex-esposa correu bem e nenhum problema de saúde foi identificado durante esse período.

Dias antes de completar 37 semanas e realizar a cesariana, Keila sentiu falta de ar e foi levada ao hospital, sofrendo uma parada cardiorrespiratória. Sem respirar por cerca de cinco minutos, ela passou por uma cirurgia de emergência quando reanimada e os bebês foram direto para a UTI após o nascimento.

Após lutar por seis horas, Keila não resistiu ao sofrer a quinta parada cardíaca e descobriu-se que ela havia contraído um vírus da família H1N1. “No dia seguinte, depois de enterrar minha mulher, fui para o hospital conhecer o Samuel e a Maria Luiza. Eles tiveram sequelas e nasceram com paralisia cerebral. Procurei me manter calmo, mas, dentro de mim, só eu sabia a dor que estava sentindo”, relembra.

Os gêmeos ficaram internados por três meses em uma batalha diária para mantê-los vivos e uma cirurgia foi realizada para colocar um tubo na garganta para auxiliar a respiração. Através de mensagens de apoio pelo Facebook, Gledson conhece Sueli e a aproximação fez com que eles se apaixonassem.

Leia mais: Noivo sofre acidente e morre duas horas antes de seu casamento

Eles se casaram em 2016 e após um mês de casados, eles perderam o pequeno Samuel por conta de uma complicação respiratória, o mesmo problema da mãe. Hoje o casal se dedica por completo a cuidar de Maria Luiza. “Como não mexe nenhuma parte do corpo, a comunicação da Mallu com a gente é pelo olhar. Ela suspira e fixa os olhos em nós quando está feliz e quando fazemos carinho, brincamos e conversamos com ela. A saúde dela está estável e isso nos tranquiliza”.

Ele reforça sobre a importância de se aproveitar os momentos ao lado de quem amamos. “Temos aprendido a celebrar e a dar valor a cada detalhe. A vida é passageira e não podemos desperdiçar momentos com as pessoas que amamos”.